Messi precisa que Argentina jogue bem, se não será "muito difícil" vencer a Copa América, diz Scaloni

·2 minuto de leitura
Lionel Scaloni asegura que Messi necesita al equipo para salir campeón de América. En esta foto de archivo, el DT argentino en el estadio Nacional de Lima, el 17 de noviembre de 2020.

O craque argentino Lionel Messi precisa de uma equipe que jogue bem para conquistar o título almejado da Copa América, pois caso contrário será "muito difícil", alertou o técnico da seleção 'albiceleste', Lionel Scaloni.

O treinador destacou que foi possível formar uma base onde "todos se entendem" e onde "todos jogam bem", principal qualidade que Scaloni deve ter em uma equipe para que Messi possa se conectar bem com os demais, segundo o jovem treinador.

"Pode ser que (Messi) nos dê uma alegria, mas é a equipe que vai nos dar essa alegria, ele é o mais consciente de que se vence com a equipe, ele precisa dos companheiros e os companheiros precisam dele. Caso contrário, será muito difícil", afirmou Scaloni.

Em declarações dadas ao canal de esportes ESPN, o técnico argentino disse estar animado por poder reverter anos de frustrações para a seleção albiceleste que em sua história conquistou 14 títulos da Copa América, a última no distante ano de 1993 e depois jogou quatro finais em 2004, 2007, 2015 e 2016 que terminaram em frustração.

"Todos queremos ganhar e o maior desejo é erguer a taça, mas está se tornando muito difícil para nós, há muitos anos que a Argentina tem ido à fase final mas não vence", admitiu.

"Não estamos aqui para prometer que vamos ganhar, mas vamos fazer todo o possível para chegar ao nível mais alto", acrescentou.

A competição continental será disputada entre 13 de junho e 10 de julho em princípio entre Argentina e Colômbia, embora esta segunda sede esteja em dúvida devido à crise social e política que o país atravessa.

O presidente da Argentina Alberto Fernández disse estar disposto a que seu país seja o único anfitrião de jogos sem público e com "todos os protocolos" devido à onda de infecções de covid-19. Nesse caso, a final seria disputada em Buenos Aires e não em Bogotá, como programado.

Uma eventual mudança de sede "mudaria nosso último jogo, que seria jogar a final aqui e seria um luxo para nós. São decisões às quais não somos responsáveis por responder, mas espero que possam acontecer na Argentina", disse Scaloni.

A pandemia obrigará a seleção argentina a ficar em uma bolha durante dois meses, para disputar primeiro as duas eliminatórias sul-americanas, nos dias 3 e 8 de junho, e depois a Copa América.

A Argentina vive um dos piores momentos da pandemia, com mais de 35 mil casos e quase 500 mortes nas 24 horas desta quarta-feira, para um total de 3,4 milhões de infecções e 72.265 mortes, em um país de 45 milhões de habitantes.

ls/gfe/aam