Mesmo com caso confirmado, Planalto ainda não adotou medidas para conter propagação do coronavírus

Yahoo Notícias
Agência Brasil
Agência Brasil

Ao contrário de outros órgãos públicos, o Palácio do Planalto ainda não adotou ações internas em razão do coronavírus, mesmo tendo um caso confirmado da doença entre seus funcionários.

Até esta sexta-feira (13), a Presidência não havia divulgado nenhuma medida de contenção ao avanço da doença. Inclusive, a visitação pública agendada para domingo (15) estava mantida.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também:

Na manhã desta sexta, ministros participam de uma reunião emergencial para discutir ações de combate ao coronavírus. 

A Câmara dos Deputados, por exemplo, suspendeu sessões solenes, eventos de lideranças partidárias e de frentes parlamentares, a visitação institucional ao Congresso Nacional e eventos não relacionados à atividade legislativa.

Desde quarta-feira (11), há restrição de acesso às dependências da Câmara. Além disso, a Mesa Diretora da Casa suspendeu autorização de afastamento em missão oficial de servidores e parlamentares para lugares onde houve transmissão local por Covid-19, de acordo com lista do Ministério da Saúde.

Parlamentares e servidores que estiveram nesses locais serão afastados administrativamente por até 14 dias a contar da data de retorno.

O Senado também determinou medidas semelhantes. Como medida de prevenção à transmissão do coronavírus, a Casa suspendeu a visitação e limitou eventos e circulação de pessoas.

O Senado estuda ainda recesso de duas semanas quando a escalada de casos da doença no país atingir o pico.

Coronavírus confirmado no Planalto

O secretário de Comunicação da Presidência da República, Fabio Wajngarten, testou positivo para coronavírus na quinta-feira (12). Ele acompanhou a comitiva presidencial em viagem aos Estados Unidos entre sábado (7) e terça-feira (10).

Por conta do resultado positivo do secretário, todos os membros do governo que viajaram com o presidente estão sendo monitorados e passam por exames.

Dois dias depois de chamar a pandemia do coronavírus de “fantasia”, “que não é isso tudo que a grande mídia” propaga pelo mundo, o presidente Jair Bolsonaro foi submetido a testes. O resultado deve ser divulgado nesta sexta-feira (13).

Além de Wajngarten, integraram a comitiva presidencial a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Ernesto Araújo (Itamaraty), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Bento Albuquerque (Minas e Energia).

A comitiva era composta também pelo assessor especial Filipe Martins, além de seguranças e outros servidores da Presidência da República.

Leia também