McLaren confirma Vandoorne e Gutiérrez como reservas e descarta Alonso

Adam Cooper
motorsport.com

O chefe da McLaren, Andreas Seidl, afirmou que os pilotos reservas da Mercedes - Stoffel Vandoorne e Esteban Gutiérrez - foram preparados para assumir o carro da equipe inglesa caso necessário e não há planos para chamar o ex-piloto da equipe Fernando Alonso, que estará na Renault em 2021. Mais cedo neste ano, a McLaren anunciou que tem acesso aos pilotos reservas da equipe alemã como parte do futuro acordo de fornecimento de motores.

A Racing Point também tem acordo similar, mas optou por Nico Hulkenberg neste final de semana, quando a equipe de Silverstone precisou substituir Sergio Pérez no GP da Grã-Bretanha por conta do diagnóstico positivo de Pérez para a Covid-19.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também:

F1: Stroll lidera treino marcado por batida de Albon na InglaterraConheça epopeia de Hulkenberg para conseguir correr no GP da Grã-Bretanha de F1

"O Fernando (Alonso) não está na discussão sobre um papel de piloto reserva do nosso lado", disse Seidl quando questionado pelo Motorsport.com. “E também acho que o programa Indy começa agora".

“Como já nos comunicamos antes da temporada, temos um acordo com a Mercedes, semelhante ao que tivemos no ano passado com a Renault, para podermos acessar Stoffel e Esteban, caso precisemos de um piloto de reserva".

"Obviamente nos preparamos para isso, já fizemos ajustes nos assentos com os dois pilotos e uma curta sessão no simulador para estarmos prontos, porque no pior caso que sabemos que pode acontecer durante um sábado e assim precisamos ser rápidos", completou Seidl, que também mandou pensamentos positivos para a recuperação de Pérez.

Seidl insistiu que o time está trabalhando duro para evitar qualquer problema com a Covid-19, tendo sofrido anteriormente com um caso na equipe que provocou o cancelamento do GP da Austrália.

"Testamos com todos e não apenas com os pilotos, como todos testam", disse ele. “Você tenta cumprir todas as regras de higiene, as regras de distanciamento social, tanto quanto possível, sem correr riscos desnecessários, mesmo entre essas rodadas triplas".

“Não há 100% de garantia. Isso pode acontecer com qualquer um de nós em nossas vidas diárias, mesmo sendo super cuidadoso. Mas no final, penso com o que a FIA e a F1, juntamente com os promotores, adotaram em termos do rigoroso regime de testes”, afirmou Seidl.

“No final, também mostrou ontem no caso de Sergio que funciona, e ainda nos permite fazer essas corridas enquanto protegemos nosso pessoal ao mesmo tempo”, completou o chefão da McLaren.

Racing Point e Red Bull lideram, Hulkenberg vive saga para voltar à F1 e Drugovich é pole na F2

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil de F1

Your browser does not support the audio element.

Leia também