Mayra Aguiar conquista medalha de bronze e faz história na Olimpíada

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Mayra Aguiar colocou seu nome na história brasileira nas Olimpíadas (Júlio César Guimarães/COB)
Mayra Aguiar colocou seu nome na história brasileira nas Olimpíadas (Júlio César Guimarães/COB)

O judô trouxe mais uma medalha para o Brasil! Mayra Aguiar conquistou o bronze ao derrotar a sul-coreana Yoon Hyunji e se tornou a primeira mulher brasileira a conseguir três medalhas em competição individual na história das Olimpíadas.

Na mesma categoria, até 78kg, Mayra foi bronze em Londres-2012 e também no Rio de Janeiro-2016. A única mulher que também tem três medalhas olímpicas é Fofão, mas conquistadas em um esporte de time.

Leia também:

A gaúcha conquistou a 24ª terceira medalha do Brasil no judô e a segunda do esporte em Tóquio. O também gaúcho Daniel Cargnin havia levado a primeira na categoria até 66 kg do masculino.

É a sexta medalha do Brasil em Tóquio. Ítalo Ferreira se tornou o primeiro campeão olímpico do surfe, Kelvin Hoefler e Rayssa Leal ficaram com uma prata cada no skate street, enquanto Daniel Cargnin e Fernando Scheffer levaram bronze no judô e na natação, respectivamente.

A lesão na pandemia

Em meio à pandemia de Covid-19, a atleta de 29 anos, sofreu uma lesão e teve que passar por cirurgia no joelho esquerdo, em novembro de 2020. Mesmo após diversas operações na carreira, ela conta que essa foi diferente e que precisou fortalecer a parte mental da sua luta como nunca.

"A positividade sempre funcionou comigo", disse em uma entrevista coletiva em abril. "Eu tento entrar numa bolha do que é positivo, do que é bom. Claro, sabendo o que está acontecendo [ao redor], mas podendo, quando preciso me focar, me focar. Eu entro na minha cabeça e me equilibro."

Às vezes, porém, isso é mais difícil. "Não é sempre que eu estou bem, mas eu engano minha cabeça dizendo que estou. Isso me ajuda às vezes, num treino que não estou aguentando, dou um sorriso e minto para mim, falo que não estou cansada. E aquele pouquinho de confiança que isso me dá, me ajuda."

Mayra voltou a competir apenas em junho, no Campeonato Mundial de Budapeste, na Hungria. Na oportunidade, ela foi derrotada pela holandesa Marhinde Verkerk na segunda rodada.

* Com informações da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos