Mattos diz que repórter uruguaio agrediu Egídio com tripé

Não foram apenas os jogadores do Peñarol que tentaram agredir os atletas do Palmeiras na confusão no Estádio Campeón del Siglo, após o jogo desta quarta-feira pela Copa Libertadores. O diretor de futebol Alexandre Mattos e o goleiro Fernando Prass relataram que um repórter uruguaio usou um tripé para tentar acertar os alviverdes.

“O Egídio me relatou que tinha jornalista do Uruguai pegando tripé para bater, um deles deu no Egídio. Segurança com boca inchada, Willian e Prass machucados. Felizmente, o Palmeiras teve a lucidez de se proteger, senão a tragédia seria muito pior aqui hoje”, afirmou o diretor de futebol.

“Me chutaram, deram soco na boca. É impressionante como o capitão do time, o Nández, chega a uma covardia premeditada, porque fecharam o portão. É um baita exemplo, parabéns para o Nández. Vão se vangloriar porque deram porrada. Vamos ver essa cena mais uma vez e vão falar que isso é Libertadores. Se a entidade que comanda não for rigorosa e punir, vai seguir. Tinha jornalista com tripé tentando acertar jogadores do Palmeiras”, corroborou o goleiro Fernando Prass.

Ao final do confronto, o presidente Mauricio Galiotte pediu duras punições ao Peñarol e aos envolvidos na confusão. De acordo com o mandatário, o Verdão previu o risco de confusão e foi a Montevidéu com 20 seguranças particulares.

Leia mais:

Palmeirenses falam em emboscada: “Os jogadores iriam morrer lá”

Irritado, Eduardo nega racha e diz: “Se eu sair, será de cabeça erguida”

“No mínimo a interdição do estádio, mas essa questão tem de ser analisada pela Conmebol. Não dá para colocar em risco a vida dos jogadores. Não aconteceu uma tragédia porque trouxemos 20 seguranças. Invadiram o campo mais de 20 pessoas, com os portões fechados”, concluiu.