Matías Rojas tem fãs no São Paulo, mas negócio é complexo

Jorge Nicola
·1 minuto de leitura
Rojas cobra falta em jogo do Racing na Libertadores (Agustin Marcarian/Getty Images)
Rojas cobra falta em jogo do Racing na Libertadores (Agustin Marcarian/Getty Images)

Adversário do São Paulo na fase de grupos da Libertadores, o meia Matias Rojas, do Racing, tem alguns admiradores dentro do Morumbi. O paraguaio de 26 anos, inclusive, já foi sondado pelo Tricolor desde o início da gestão Julio Casares.

"Ele é muito bom jogador, mas neste momento não tem conversa", afirma Carlos Belmonte, diretor de futebol do São Paulo.

Leia também:

O grande problema é financeiro. "Trata-se de um jogador caro", acrescenta Belmonte. Na Argentina, especula-se que o Racing pede cerca de US$ 8 milhões, valor inviável hoje para qualquer clube brasileiro, diante da crise econômica geral.

Mas num futuro... Neste momento, o objetivo do São Paulo é colocar a casa em ordem do ponto de vista financeiro. Somente com salários, direitos de imagem e luvas, Julio Casares gasta aproximadamente R$ 18 milhões por mês - são R$ 12 milhões da folha atual e mais R$ 6 milhões herdados de Leco.

Matias Rojas surgiu no Cerro Porteño e esteve no Lanús e no Defensa y Justicia antes de ser comprado pelo Racing. No novo clube, ainda não explodiu como se imaginava, embora tenha feito 28 jogos e cinco gols na primeira temporada e mais 21 jogos e quatro gols na segunda.

O paraguaio não deverá participar da primeira partida entre São Paulo e Racing, em 5 de maio, porque se recupera da Covid-19.