Masvidal zomba do sumiço de Covington da ATT: "Está no programa de proteção à testemunha"

Acostumado a se fazer presente na maior parte do tempo com suas declarações e provocações, seja pelas redes sociais ou via imprensa, Colby Covington anda sumido dos holofotes nas últimas semanas. E, de acordo com Jorge Masvidal – seu companheiro de equipe na ‘American Top Team’ (ATT) -, o meio-médio (77 kg) não tem aparecido nem mesmo na academia desde sua derrota para Kamaru Usman, em disputa válida pelo cinturão até 77 kg do Ultimate, na luta principal do UFC 245, realizado no dia 14 de dezembro de 2019.

Ao ser questionado se havia visto Colby recentemente, Masvidal, em entrevista à emissora americana ‘ESPN’, zombou do desafeto ao comparar o seu sumiço com o de uma pessoa sob os cuidados do serviço de proteção à testemunha. Além disso, ‘Gamebred’ revelou o estranhamento de Dustin Poirier – outro lutador da ATT que possui desavenças com Covington – diante da ausência do falastrão na academia da equipe.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Quem? (risos). Desde que ele quebrou sua mandíbula, não. Veja, ‘D’ (Dustin Poirier) vai ficar chateado por eu falar isso porque é conversa de vestiário, mas ele disse: ‘Cara, onde c*** está Colby?’. Então eu tipo: ‘Não se preocupe com ele porque ele está no programa de proteção à testemunha”, brincou Masvidal, antes de continuar.

“Quando você vê esse cara, você não pode nem tocar nele. E ele (Poirier): ‘Estou te dizendo, eu vou f*** o traseiro dele, estou farto dessa m***’. Então eu disse para ele: ‘Eu não sei se o Trump contratou eles ou algo assim, mas ele tem o serviço secreto para ele’. É louco porque você não pode nem olhar para o cara, ele tem muitas pessoas (por perto). Mas não, aquele cara não vai para a academia. Ele (Covington) é um bundão e teve o que mereceu”, contou o meio-médio do UFC.

Colby Covington sofreu uma fratura na mandíbula no confronto contra Kamaru Usman no UFC 245, realizado no dia 14 de dezembro, em Las Vegas (EUA). Em razão da lesão, o meio-médio recebeu 180 dias de suspensão médica preventiva, podendo diminuir o período afastado dependendo do crivo de um especialista de acordo com sua recuperação.

 

Leia também