Massa reclama mas obedece nova ordem de equipe da Ferrari

Felipe Massa renovou contrato e será piloto da Ferrari na temporada 2013

Felipe Massa renovou contrato até 2013 e será piloto da Ferrari na temporada 2013

Felipe Massa renovou contrato e será piloto da Ferrari na temporada 2013

Mais uma da Ferrari. A escuderia Italiana, outra vez, prejudicou um piloto brasileiro para favorecer o que pode ser chamado de 'trabalho de equipe'. Neste domingo, no GP dos Estados Unidos, o time de Maranello trocou o câmbio do carro de Felipe Massa para que este perdesse, de forma proposital, cinco posições no grid de largada em Austin.

A punição de Massa fez com que Fernando Alonso ganhasse uma posição na formação de largada e, ainda, pudesse alinhar no 'lado limpo' da pista. O espanhol - sempre é bom lembrar - briga ainda pelo título de 2012. A manobra tática da Ferrari não tem nenhum impedimento legal. Mas é questionável em termos esportivos, morais, etc.

Os casos mais famigerados de 'trabalho de equipe' estão na ponta da língua dos torcedores brasileiros: Áustria 2002, quando Rubens Barrichello foi obrigado a ceder sua posição para Michael Schumacher; e Alemanha 2010, quando o próprio Felipe obedeceu ordem para Alonso o ultrapassar.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Felipe Massa - "Claro que eu não estava feliz", disse Massa sobre a estratégia. "É impossível ver um piloto feliz abrindo mão de cinco posições apenas para ajudar seu companheiro ou sua equipe. Mas sabemos o quanto isso é importante. Mas acho que foi a coisa certa para a equipe. Acho que precisamos ser francos, e isso eu sou muito", seguiu.

"Tudo o que a Ferrari quer é lutar com o Alonso até o final para que ele consiga ser campeão. E pelo bem da equipe, eu aceitei. Talvez seja difícil encontrar outro piloto que faria isso. Com certeza, eu poderia chegar na frente de Alonso nesta corrida, mas dei uma grande, grande ajuda", avaliou

"E ainda fiz minha melhor corrida no ano. Para mim, foi como uma vitória", encerrou.

Ferrari - "Era uma possibilidade estratégica que nos oferecia o regulamento", deixou claro Stefano Domenicali - chefão da Ferrari. "Estudamos a possibilidade e usamos. Como o regulamento contempla isso por escrito, não acho que quebramos nenhuma regra", falou o dirigente da escuderia rubra de Maranello.

Leia também