• Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Martine Grael lembra de ouro no Rio: frio na barriga e 'fuga da praia'

·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Cinco anos atrás, no Rio de Janeiro, a família Grael colocou novamente seu nome na história dos Jogos Olímpicos. Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram o ouro na classe 49er FX da vela. O feito dentro de casa foi coroado pela comemoração dentro da água com pessoas queridas pela dupla, mas no início das regatas o pensamento foi ficar até um pouco longe.

"Eu acho que pra mim o que mais marcou é que a gente nunca tem a presença de público nas competições da vela. Mas no Rio felizmente aconteceu que a praia ficou num ângulo em que o público podia estar muito perto, mais do que ele jamais esteve em qualquer competição nossa", conta Martine em entrevista ao Yahoo Brasil. "Logo saindo da marina a praia era muito próxima e a gente deu um bordo pra perto da praia. E aí eu visualizei aquela praia cheia de gente, tantas pessoas que eu sabia que estavam lá, meus amigos todos mandando mensagem, as mães, os grupos de amigas. Então nossa, eu olhei pra lá e deu um friozinho na barriga e eu 'Ka, vamos tombar pra longe pra concentrar'”.

Leia também:

Campeãs mundiais em 2014, Martine e Kahena eram vistas como esperança de medalha e começaram a competição no Rio muito bem, com dois primeiros lugares nas três primeiras regatas. 

A dupla brasileira continuou constante e chegou até a medal race, a grande regata decisiva, empatada com as espanholas Tamra Echegoyen Dominguez e Berta Betanzos Moro e as dinamarquesas Jena Hansen e Katja Steen Salskov-Iversen no topo.

Na regata final, a dupla chegou a ficar em oitavo lugar entre as dez que disputavam, mas se recuperaram muito bem e estavam em terceiro perto do fim. Com uma decisão de ir para o lado de esquerda ao invés da direita depois da penúltima boia, a dupla conseguiu passar as então líderes italianas e neo-zelandesas para vencer a medal race e conquistar o ouro.

"Ali eu já não sentia mais nada, já tava anestesiada. Eu acho que a sensação de quando a gente cruzou a linha foi tipo 'Caramba, acabou', todo aquele esforço de quatro anos pra chegar ali e acabou tudo, acabou. E depois foi só rir, comemorar, vibrar assim mesmo", conta a atleta sobre o momento final.

Martine e Kahena começaram a defesa do ouro olímpico nesta terça (27). Após ganharem a terceira regata, a dupla é a terceira no geral. São mais nove regatas até a medalha. Pelo planejamento da organização, a regata da medalha acontecerá no dia 2 de agosto, às 2h30 (horário de Brasília).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos