Marta consegue nacionalidade sueca, mas não deixa a Seleção

Maior nome da história do futebol feminino brasileiro, Marta anunciou, nesta quarta-feira, que conseguiu a nacionalidade sueca. Em entrevista ao jornal sueco Sydsvenksan, a camisa 10 confirmou sua dupla-nacionalidade. No entanto, a artilheira da Seleção Brasileira não deixará de defender a camisa de seu país natal.

“Quero poder viver a longo prazo na Suécia. Eu gosto de tudo na Suécia e agora terei a possibilidade de continuar vivendo aqui quando encerrar minha carreira”, afirmou.

A jogadora ainda reiterou que a naturalização sueca “não tem nada a ver com o futebol, e sim com a vida”. Apesar da nacionalidade, Marta não pode atuar pela seleção da Suécia. De acordo com as regras da Fifa, nenhum atleta pode atuar por duas seleções em partidas oficiais.

Como a jogadora de 31 anos defende o Brasil desde as categorias de base, sendo a maior artilheira da história, continuará vestindo a camisa verde e amarela. “Me sinto sueca também. Estou hiper-feliz de ter feito agora”, comentou.

Marta defende o clube sueco FC Rosengard, de Malmo, desde 2013. Ainda aos 18 anos, a camisa 10 do Brasil deixou o país rumo a Suécia para atuar pelo Umea. Com pequenos intervalos quando atuou por times nos Estados Unidos e no Brasil, Marta participa de sua 11ª temporada no futebol sueco.