Marrocos busca fazer outra vítima ibérica contra Portugal

Ônibus do Marrocos chega a hotel em Doha

Por Hritika Sharma

DOHA, Catar (Reuters) - Após protagonizar a mais recente zebra na Copa do Mundo, um Marrocos cada vez mais confiante, que arquitetou a vitória sobre a Espanha, pretende continuar sua trajetória de conto de fadas nas quartas de final de sábado contra Portugal.

Há 36 anos, o Marrocos fez história ao se tornar o primeiro país africano a se classificar para as oitavas de final de uma Copa do Mundo, no México, em 1986.

Eles agora têm a chance de se tornar os primeiros semifinalistas da África e do mundo árabe diante de uma torcida fervorosa que tem aumentado devido ao apoio de grande parte do restante da região.

O Marrocos terá outra oportunidade de prosperar como azarão, tendo anteriormente liderado um difícil Grupo F à frente da Croácia, finalista de 2018, e da Bélgica, segunda colocada no ranking mundial.

O sucesso no Catar foi construído com base na resiliência defensiva e imprevisibilidade no contra-ataque, e essa estratégia foi executada com perfeição contra a campeã de 2010 Espanha.

Marrocos recusou-se a ser hipnotizado pelos extraordinários 1.019 passes de seu adversário e negou aos espanhóis um gol em duas horas de ação desgastante, garantindo um empate em 0 x 0 antes de avançar para as quartas de final nos pênaltis.

Por outro lado, o adversário de sábado, Portugal, que começou as oitavas sem Cristiano Ronaldo, fez uma exibição deslumbrante na goleada por 6 x 1 sobre a Suíça, após uma campanha inconsistente na fase de grupos.

Deixar Ronaldo no banco não tirou os holofotes dele, mas Portugal mostrou que pode prosperar sem seu talismã. O substituto de Ronaldo, Gonçalo Ramos, de 21 anos, marcou o primeiro "hat-trick" do torneio deste ano e parece ter conseguido seu lugar para enfrentar a defesa marroquina.

"Vou usar o que acredito ser a estratégia certa, como tenho feito em toda a minha vida", disse o técnico de Portugal, Fernando Santos.

Com Portugal tentando fazer história ao chegar à primeira final - perdeu para a França nas semifinais de 2006 - Marrocos será um teste à sua nova linha de frente.