Marcos Oliveira, o Beiçola, reclama da crise: "Não sei se ainda sirvo para o mercado"

Yahoo Vida e Estilo
Marcos Oliveira está enfrentando dificuldades em se colocar no mercado de trabalho (reprodução / instagram @marcosoliveiraator)
Marcos Oliveira está enfrentando dificuldades em se colocar no mercado de trabalho (reprodução / instagram @marcosoliveiraator)

Marcos Oliveira, 67, que ficou conhecido popularmente como o Beiçola de “A Grande Família”, conversou com o Yahoo! sobre a crise financeira que vem enfrentando e questionou seu talento.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Ninguém me chama para trabalhar. Fico cheio de dúvidas: se sou bom ator ou não; se ainda sirvo para o mercado. Não sei se tem lugar para mim, é uma incógnita. Me chamam para alguns trabalhos, mas não tem uma continuidade e vai ficando barra pesada”, lamentou o ator.

Seu parceiro de ‘A Grande Família’, Marco Nanini está no ar na novela das nove, ‘A Dona do Pedaço', como Eusébio.

Leia também

Perrengues

“Estou gripado, com um furúnculo na bunda e não tenho como medicar. O mercado está muito ruim. Meu padrão de vida tem que mudar, não consigo ficar pagando o aluguel que pago aqui na Zona Sul (Rio de Janeiro), tenho que partir para um apartamento menor para tentar sobreviver e pagar as minhas dívidas de banco.”

Influencer

Sem um empresário e com cerca de 1.200 seguidores no Instagram, Marcos quer se reinventar e quem sabe viver de publipost. “Nos tempos modernos não importa mais você só ser ator. Tem que ser ator e empreendedor. E não sei empreender, nunca fiz isso. Vou começar agora a lidar com isso. Quero fazer coisas para o Instagram e o Youtube. Tenho vários personagens para fazer e vou tentar seguir esse caminho. Não sei se consigo me colocar nesse mercado, mas não tem outra saída.”

Na estrada

Além do desejo de focar no mundo digital, Marcos tem acertado cinco apresentações da peça ‘Evolução’ no interior de São Paulo. “Faço em setembro e outubro. Pego o ônibus para São Paulo, outro para o interior e fico viajando pelas cidades com um produtor amigo meu. Aí recebo cachê. Também acabei de fazer um filme com a Netflix que foi muito legal. Mas é esquisito não ter um trabalho de continuidade.”

Tem que mudar isso aí!

O eterno beiçola também criticou o atual governo. “É anti-cultura e anti-educação. As pessoas não têm dinheiro para ir ao teatro. Todo mundo tem que ter o mérito no final do mês para sobreviver. Tem gente precisando de trabalho, gente na miséria e o presidente (Jair Bolsonaro - PSL) brincando de dar tiro. A ministra (Damares Alves) falando que a Elsa, de ‘Frozen’, é sapatão. Pelo amor de Deus.”

Leia também