Marcelo Serrado diz que se arrepende de apoio a Moro e defende Haddad

Amanda Caroline
·3 minuto de leitura
O ator global é conhecido por ter integrado o
O ator global é conhecido por ter integrado o "#Morobloco" em manifestação a favor da Operação Lava Jato em 2016 (Foto: Reprodução/Instagram @oficialmarciogarcia)

Resumo da notícia

  • O ator Marcelo Serrado revelou que se arrependeu de ter apoiado o ex-juiz Sérgio Moro na condução da Operação Lava Jato, que prendeu o ex-presidente Lula em 2018

  • Ele afirmou que foi um "erro" ter participado de manifestação a favor de Moro em março de 2016

  • O global publicou foto ao lado do ex-presidenciável Fernando Haddad e lamentou o fato do Brasil não ter um professor como presidente da República

Marcelo Serrado revelou nesta quinta-feira (25) que se arrepende de ter apoiado o ex-juiz Sérgio Moro na Operação Lava Jato, que prendeu o ex-presidente Lula em 2018. O ator global de 54 anos é conhecido por ter integrado o "Morobloco", grupo de artistas que participou de manifestação a favor de Moro no Rio de Janeiro (RJ) em março de 2016. Susana Vieira e Márcio Garcia também fizeram parte do grupo.

Em rede social, Serrado disse que foi um "erro" ter defendido o ex-ministro da Justiça que atuou no governo de Jair Bolsonaro (sem partido) de janeiro de 2019 a abril de 2020 e explicou seu posicionamento político da época. "Estava lá como eleitor de Marina [Silva, historiadora e ex-presidenciável]", afirma em publicação. "Lá tinha eleitores de Marina, Ciro Gomes, 'minions' [termo pejorativo que se refere aos eleitores de Bolsonaro] e tudo mais! Se alguns continuam acreditando naquilo, pena", lamenta o ator.

Leia também

Ele também postou uma foto ao lado do advogado Fernando Haddad, que concorreu à Presidência da República em 2018 pelo PT. "Foto do dia em que ele veio me agradecer por ter feito parte da campanha 'vira voto'. (...) Com ódio não vamos vencer. Poderíamos ter um professor [como presidente]", opina.

Confira a publicação:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Serrado ainda falou sobre união dos "arrependidos". "Temos que trazer os indecisos e quem se arrependeu. Você pode pensar diferente de mim porém respeito sua opinião com todo amor! Com ódio não vamos vencer. E pare de apontar o dedo para o outro pois 90% dos políticos não estão aí para a gente", finaliza.

Após a repercussão da declaração, Marcelo Serrado foi alvo de ataques de bolsonaristas em rede social.

Suspeição de Sérgio Moro

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na última terça-feira (23) que o ex-juiz Sérgio Moro foi parcial ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do tríplex do Guarujá. A decisão, tomada por 3 votos a 2, ocorreu após a ministra Cármen Lúcia mudar o posicionamento, o que é permitido até o fim do julgamento — anteriormente, ela havia se posicionado contra a suspeição de Moro.

A ministra Cármen Lúcia afirmou que não levou em consideração as mensagens trocadas entre Moro e procuradores da Lava-Jato, obtidas por hackers e depois divulgadas na imprensa, que mostram o ex-juiz orientando a acusação. A ministra destacou também que o novo voto vale apenas para caso de Lula.

Veja mais: Samara Felippo reflete sobre relacionamento aberto no 'Yahoo Entrevista'