Marcelo Moreno fala que Série B é mais dura do que a A e revela desejo de ser presidente do Cruzeiro

Valinor Conteúdo
LANCE!


O atacante Marcelo Moreno, do Cruzeiro, falou sobre o retorno dos treinamentos mesmo com a pandemia do coronavírus ainda gerando muitos infectados e mortos. O Brasil já superou os 100 mil casos registrados, além de mais de 7 mil falecimentos causados pela Covid-19, doença gerada pelo coronavírus.

Moreno quer que mesmo com o fim das férias coletivas, que os trabalhos voltem somente quando houver segurança para os profissionais da bola.

-Deram férias até forçadas, todo mundo ficou surpreso com o que aconteceu. Se tiver segurança para os jogadores, para os nossos familiares, para as pessoas em geral, eu acho que é válido a gente iniciar as atividades em grupo de seis, de quatro jogadores. Isso o Cruzeiro tem que estudar muito bem e ver o que é necessário. Acho que acima de tudo vem a segurança de todos- disse Moreno, em entrevista à rádio Super 91,7FM.

Quando assunto foi futebol, Moreno comentou das dificuldades do Cruzeiro na Série B, que, para ele pode ter jogos mais complicados do que na Série A.






-Acho que temos um time novo que aos poucos tenta criar uma identidade de jogo. Mas não é fácil. Não tinha como formar um time tão grandioso como o torcedor do Cruzeiro está acostumado, jogando um futebol bonito. Isso era impossível no início do ano, já que o Cruzeiro não tinha um time montado. O Adilson fez milagre para poder montar o time. Agora, tem os jogadores que vão chegar, a diretoria já prometeu para o torcedor. O Enderson já está no mercado olhando quem pode reforçar o Cruzeiro para deixar o time mais competitivo para disputar a Segunda Divisão, que não é a Primeira Divisão, é mais difícil de ser jogada, times fechados. Acredito que a gente vai ficar com um elenco que pode subir, sim-disse o atacante, que fez uma revelação surpreendente: o desejo de se tornar no futuro presidente da Raposa.

Marcelo Moreno tem muita identificação com o Cruzeiro e está na sua terceira passagem pelo clube. Desta vez, ele chegou com status de líder e uma das estrelas da companhia e sua fala sobre um futuro fora dos campos, demonstra que deseja seguir muito ligado ao time celeste.

-Ainda não decidi se vou ser presidente do Cruzeiro no futuro. Fico imaginando isso. Mas ainda tenho que me preparar muito com gente que já teve esse cargo, pegar experiência, fazer cursos, para talvez assumir uma responsabilidade tão grande como essa. Me identifico muito com o Cruzeiro, mas tenho que estudar muito para chegar neste cargo. Espero que algum dia eu possa ser presidente do Cruzeiro, sim. Tenho interesse, mas meu foco principal é levar o Cruzeiro para a Primeira Divisão- concluiu o centroavante de 32 anos, segundo maior artilheiro estrangeiro da história cruzeirense com 45 gols em 94 jogos.





Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também