Maradona pede a argentinos que fiquem em casa: "Separados mas mais unidos do que nunca"

AFP
O ex-craque Diego Maradona, técnico do Gimnasia y Esgrima de La Plata, é ovacionado pela torcida do Boca Juniors antes de uma partida da Superliga argentina na Bombonera de Buenos Aires no dia 7 de março de 2020
O ex-craque Diego Maradona, técnico do Gimnasia y Esgrima de La Plata, é ovacionado pela torcida do Boca Juniors antes de uma partida da Superliga argentina na Bombonera de Buenos Aires no dia 7 de março de 2020

O ex-astro do futebol mundial, Diego Maradona, técnico do Gimnasia y Esgrima de La Plata, pediu nesta sexta-feira que os argentinos fiquem em casa como parte da campanha de combate ao novo coronavírus, que já matou três pessoas no país e infectou 128.

"Hoje temos que ficar separados, mas mais unidos do que nunca", escreveu ele em sua conta no Instagram.

O ex-capitão da seleção argentina, campeão da Copa do Mundo do México em 1986, acompanhou sua publicação com uma foto do presidente da Argentina, Alberto Fernández, que colocou uma fita de capitão no braço esquerdo. "Quando as batatas queimam, é o capitão quem deve sair e demonstrar", disse o '10'.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Maradona, de 59 anos, mostrou seu apoio ao presidente argentino, que na noite de quinta-feira ordenou o isolamento social obrigatório dos argentinos para impedir a propagação do coronavírus.

No país sul-americano, o número de infectados até quinta-feira era de 128, com três mortes, segundo o último relatório oficial.

No início da semana, o ex-treinador da Albiceleste aplaudiu a suspensão total dos torneios locais depois de continuarem jogando por algumas semanas, mas a portas fechadas.

"Vamos parar a bola, rapazes, vamos parar tudo, o que estamos esperando?", afirmou Maradona devido ao atraso na suspensão do futebol, apesar da recomendação oficial de ficar em casa, que se tornou isolamento obrigatório a partir desta sexta-feira e até 31 de março.

Além disso, o astro do Barcelona, Lionel Messi, participou de um vídeo, gravado e transmitido por iniciativa da primeira-dama, Fabiola Yañez, onde os argentinos são chamados a cumprir o isolamento.

"Por favor, fique em casa", diz Messi, da cidade catalã, no vídeo, no qual outras figuras populares da Argentina, como as cantoras Tini Stoessel e Lali Espósito, e o casal formado pela atriz Luisana Lopilato e o músico canadense Michael Bublé, que diz em inglês: "Fique em casa".

Leia também