Maradona morre aos 60 anos

Redação Esportes
·3 minuto de leitura
Foto de março, quando Diego Armando Maradona estava à frente do Gimnasia y Esgrima. Foto: Gustavo Garello/Jam Media/Getty Images
Foto de março, quando Diego Armando Maradona estava à frente do Gimnasia y Esgrima. Foto: Gustavo Garello/Jam Media/Getty Images

O ex-jogador Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira (25) vítima de uma parada cardiorespiratória em sua casa, em Tigre, na Argentina. As informações são do jornal argentino Clarín.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Esportes no Google News

No início de novembro, Maradona deu entrada em um hospital para a drenagem de uma pequena hemorragia no cérebro. Ele recebeu alta no último dia 11, após o médico Leopoldo Luque confessar que o ex-jogador pediu várias vezes para deixar a clínica. O jogador se recuperava da cirurgia em casa depois de ter apresentado sintomas de abstinência. A cirurgia foi considerada simples, mas havia preocupação com as condições do ex-atleta.

Em recente entrevista ao Yahoo Esportes, o neurocirurgião disse que foi ele quem convenceu Maradona, que também chama de “amigo”, a ir para o hospital em 31 de outubro, um dia após completar 60 anos. Luque o encontrou abatido, prostrado na cama e a reclamar de dores no corpo. Os rumores são que Maradona estava deprimido. O médico não confirma isso. Uma tomografia revelou que ele tinha um hematoma interno na cabeça e tinha de passar por cirurgia.

"Diego me disse que não bateu a cabeça ou teve qualquer choque. Perguntei várias vezes. Não é algo tão incomum assim um hematoma interno provocado por qualquer batida sem gravidade, tão leve que a pessoa não se lembra. Mas era necessário fazer a cirurgia. Não era delicada ou grave, mas nunca é simples uma intervenção em que é preciso abrir a cabeça de um homem de 60 anos de idade", avalia.

Doutor Leopoldo Luciano Luque ao lado de Maradona. Foto: Reprodução/Instagram
Doutor Leopoldo Luciano Luque ao lado de Maradona. Foto: Reprodução/Instagram

Leia também:

Onde estava Maradona hoje

Desde setembro de 2019, Maradona era técnico do Gimnasia y Esgrima La Plata. Ele chegou para tentar livrar o time da última colocação do Campeonato Argentino e de um possível rebaixamento para a segunda divisão. Logo de cara, ele já aumentou a condição financeira do clube, que aumentou em 10% o número de sócios. Na temporada 2019/2020, o time terminou no 19º lugar entre 24 clubes. Na edição 2020/2021, que só teve quatro jogos até agora (pós-pandemia), Maradona não esteve presente por seu estado de saúde, mas o clube já fez cinco pontos.

Carreira brilhante

Nascido em 30 de outubro de 1960, viveu a infância em Villa Fiorito, bairro muito pobre da periferia da capital argentina.

Quando tinha 15 anos, conseguiu um lugar no futebol profissional jogando no Argentino Juniors.

No ano seguinte, já estreou na seleção nacional. O atleta foi o jogador mais jovem da história a vestir a camisa da Argentina

Em 1978, quando todos pensavam que iria ser convocado para a Copa que foi realizada em seu país, o treinador Cesar Luis Menotti não o chamou, o que lhe rendeu muitas críticas ao longo dos anos.

Em 1979 Maradona venceu o Mundial Sub-21. Em 1981 migrou para o Boca Juniors e lá venceu o seu primeiro título nacional.

Em 1986, na Copa do México, cravou seu nome na história do futebol mundial, quando liderou a Argentina para o bicampeonato mundial.

Foi lá que marcou seus gols mais famosos: o polêmico a 'mão de Deus' e o mais bonito da história das Copas do Mundo, ambos contra a Inglaterra nas quartas de final (2-1).

Ainda pela seleção, chorou de raiva ao receber a medalha de vice-campeão na Copa do Mundo da Itália-1990, perdendo para a Alemanha.

Siga o Yahoo Esportes no Instagram, Facebook e Twitter

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos