Mansell relata choque em morte de Villeneuve, mas critica segurança da F1 atual; entenda

Benjamin Vinel
·2 minuto de leitura

Autor de uma longa carreira na Fórmula 1, com 187 GPs disputados entre 1980 e 1995 e 31 vitórias, além do título mundial de 1992, Nigel Mansell é um dos pilotos que marcaram a história da categoria. Além disso, o inglês presenciou momentos de crueldade deste esporte.

Mansell fez sua estreia na elite do esporte em agosto de 1980, apenas duas semanas após a morte de Patrick Depailler em um teste em Hockenheim. Em 1982, quando disputava apenas sua segunda temporada como titular, viu de perto a morte de dois colegas da categoria.

La voiture de Gilles Villeneuve, Ferrari 126C2, après l'accident

La voiture de Gilles Villeneuve, Ferrari 126C2, après l'accident<span class="copyright">Motorsport Images</span>
La voiture de Gilles Villeneuve, Ferrari 126C2, après l'accidentMotorsport Images

Motorsport Images

Mansell falou sobre um contraste marcante - e crítico - entre o tempo que ele correu na F1, marcado por diversas mortes, incluindo a de Senna em Ímola em 1994, e o atual, em que houve um grande progresso em termos de segurança, atenuando bastante os riscos de um resultado trágico.

"A F1, nas décadas de 80 e 90, era uma profissão muito séria", insistiu. "Se não nos matamos, corremos o risco de sermos feridos com os trilhos na beira das pistas. Nunca sabíamos o que poderia acontecer".

"A morte de Ayrton foi um dia catastrófico para o automobilismo, e isso o mudou para sempre. O esporte evoluiu em várias maneiras, boas e ruins, porque os circuitos ao redor do mundo foram esterilizados".

"Isso foi um erro terrível. A F1 era um esporte incrível, onde você seria recompensado se dirigia bem e era punido se ia mal. Você não poderia entrar em uma curva a 320 km/h se não tinha talento. Agora, tudo mudou de maneira inconcebível".

"Lewis [Hamilton] teria um bom desempenho nessas circunstâncias, mas é muito, muito difícil comparar épocas. Muitos pilotos brilhantes quebraram suas pernas ou braços em acidentes, e alguns não conseguiram continuar suas carreiras".

"Agora, os bons pilotos cometem erros excruciantes e não se machucam. Mal suam no carro. No final da corrida, é como se tivessem acabado de sair do cabeleireiro. Algo maravilhoso do meu tempo é que se tivéssemos completado 180 GPs e ainda estivéssemos vivos, nos parabenizaríamos e diríamos a nós mesmos que tivemos uma boa carreira", completou Mansell, que ainda foi campeão da Indy após deixar a F1.

VÍDEO: Live com Reginaldo Leme: histórias com Senna, Fittipaldi, Piquet e ex-Beatle

PODCAST: Massa revela 'causos' hilários com Schumi, Kimi, Leclerc e cia

Your browser does not support the audio element.