Manchester City goleia na volta do Inglês e tecnologia tem falha inédita

Folhapress

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Campeonato Inglês voltou com uma vitória do Manchester City e um erro da tecnologia na linha do gol nunca visto desde sua introdução no futebol.

Vice-líder da liga, o City derrotou o Arsenal por 3 a 0 com gols de Raheem Sterling, Kevin De Bruyne e Phil Foden. O destaque negativo da partida foi o brasileiro David Luiz.

Nos 30 minutos em que esteve em campo (entrou aos 24 do primeiro tempo no lugar do lesionado Pablo Mari), o zagueiro falhou no gol de Sterling, cometeu pênalti sobre Mahrez (convertido por De Bruyne) e foi expulso.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

O resultado fez a equipe de Manchester chegar a 60 pontos. Está a 22 do Liverpool, que precisa de duas vitórias nas nove rodadas finais para ser campeão pela primeira vez depois de 30 anos. No domingo (21), o time faz o clássico contra o Everton.

O jogo entre City e Arsenal foi equilibrado até os 45 do primeiro tempo, quando David Luiz tentou cortar lançamento, mas deixou a bola passar para Sterling anotar o primeiro. A partir deste momento, os donos da casa, que atuavam no estádio vazio, dominaram o jogo, disputado em ritmo lento, mais parecido com uma pré-temporada.

Os quatro times que entraram em campo nas duas partidas desta quarta (17) usaram camisas em que às costas, em vez do nome dos jogadores, estava escrito "Black lives matter" (vidas negras importam, em inglês), lema do protesto por igualdade racial e contra a brutalidade da polícia nos Estados Unidos.

Antes do apito inicial, os atletas se ajoelharam, outro gesto característico dos protestos.

O confronto entre Aston Villa e Sheffield United, que terminou empatado em 0 a 0, ficou marcado pelo lance em que o goleiro Nyland entrou com a bola dentro do gol em uma cobrança de falta. O árbitro Michael Oliver mandou a partida seguir.

Diante das reclamações dos jogadores, ele disse não ter recebido nenhum aviso em seu relógio de que a bola havia entrado.

A Premier League utiliza sistema em que o juiz, quando a bola ultrapassa a linha, recebe um aviso em seu relógio. A tecnologia, desenvolvida pela empresa Hawk-Eye, utiliza sete câmeras para determinar se o gol aconteceu ou não.

Depois da partida, a companhia usou o Twitter para pedir desculpas ao Sheffield United. Alegou que o corpo do goleiro e do zagueiro Mings bloquearam todas as câmeras, o que impediu o funcionamento do sistema. Segundo a Hawk-Eye, isso jamais havia acontecido em 9.000 partidas em que a tecnologia foi empregada.

Oliver também não utilizou o recurso do VAR, que estava disponível.

Os dois jogos marcaram a volta do Campeonato Inglês, paralisado pela pandemia da Covid-19 desde 9 de março.

Leia também