Manchester City contrata Haaland pelo sonho de ganhar a Champions League

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A imagem foi resgatada nesta terça-feira (10). Erling Haaland sai de campo em 2021, após uma partida do seu time, o Borussia Dortmund, contra o Manchester City, com uma camisa do adversário na mão.

Outra imagem mostrada várias vezes foi a do atacante, então adolescente, com a camisa do seu novo clube.

O City anunciou ter "um princípio de acordo" com a agremiação alemã para ter o artilheiro norueguês de 21 anos. Nas duas últimas temporadas, Pep Guardiola tentou contar com um novo camisa 9 e não conseguiu. Desta vez, obteve o jogador da posição mais cobiçado do mercado europeu.

A transação custará, a princípio, US$ 62,8 milhões (R$ 322 milhões). A depender de metas atingidas, o valor poderá saltar mais US$ 12,3 milhões (R$ 63,6 milhões).

O valor total, mesmo que chegue aos US$ 75,1 milhões (R$ 385,7 milhões) é baixo para um jogador que o Dortmund já disse, no passado, ter a intenção de negociar apenas por mais de US$ 100 milhões (R$ 512,6 milhões). No ano passado, o City pagou US$ 123,20 milhões (R$ 631,4 milhões pela cotação de hoje) para tirar Jack Grealish do Aston Villa.

Não computados os valores condicionais por desempenho, Haaland é apenas a décima transação mais cara da história do time inglês --que pertence a empresa ligada à família real dos Emirados Árabes Unidos e já foi acusado de esquemas contábeis e contratos de patrocínio com companhias do mesmo grupo para conseguir driblar o fair play financeiro.

Haaland custou menos do que o lateral Benjamin Mendy (R$ 328 milhões em 2017, valor atualizado), o volante Rodri (R$ 353 milhões em 2019), o atacante Raheem Sterling (R$ 360 milhões em 2015), o zagueiro Aymeric Laporte (R$ 369 milhões em 2019), o lateral João Cancelo (R$ 369 milhões em 2019), o meia-atacante Riyad Mahrez (R$ 385 milhões em 2018), o zagueiro Rubén Dias (R$ 384 milhões em 2020), o meia Kevin De Bruyne (R$ 431,5 milhões em 2015) e Jack Grealish.

Sem o incentivo de desempenho, Haaland é a 44ª transferência mais cara da história do futebol. Se colocados os US$ 12,3 milhões a mais das metas cumpridas, passará a ser o 37º jogador mais valioso de todos os tempos. O recorde ainda é da compra de Neymar pelo PSG: US$ 273,5 milhões pagos ao Barcelona (R$ 1,4 bilhão, atualizado) em 2017.

"A pandemia mudou o mercado. Nem todos os clubes podem fazer os mesmos investimentos de antes. Por isso que não é para qualquer um gastar 100 milhões ou 200 milhões de euros em um jogador. É preciso ter cuidado", definiu o italiano Antonio Conte, hoje técnico do Tottenham Hotspur.

Das 20 transferências mais caras de todos os tempos, apenas quarto ocorreram a partir de 2020, quando começou a pandemia. Além de Grealish, o atacante Lukaku acabou comprado pelo Chelsea por R$ 615 milhões, o meia Jadon Sancho foi para o Manchester United por R$ 460,5 milhões e o Chelsea também investiu R$ 454 milhões (todos os valores atualizados) pelo atacante Kai Havertz.

Dois jogadores que poderiam ter feito o mercado explodir saíram de graça dos seus clubes: Lionel Messi trocou o Barcelona pelo Paris Saint-Germain, e Cristiano Ronaldo deixou a Juventus e foi para o Manchester United.

Isso se deu apesar da queda de receita momentânea que as equipes tiveram em 2020, no auge da Covid-19, tanto com bilheteria como com patrocinadores.

Haaland sempre se disse torcedor do Manchester City porque, quando nasceu, seu pai, o zagueiro Alf-Inge Haaland atuava pelo clube. Não se sabe até que ponto o fator sentimental pesou, mas há também o fato de que as duas outras equipes que disputavam sua contratação, PSG e Real Madrid, elegeram como prioridade Mbappé --os franceses querem mantê-lo. Os espanhóis, contratá-lo.

A chegada de Haaland é uma cartada do City para, enfim, ganhar a Champions League. Há quase duas semanas, a equipe levou dois gols nos acréscimos, outro na prorrogação e acabou eliminada pelo Real Madrid nas semifinais. Em 2021, perdeu a decisão para o Chelsea.

Desde 2008, quando o time de Manchester foi comprado pelo xeque Mansour bin Zayed Al Nahyan, integrante da família real dos Emirados Árabes, já foram gastos US$ 2,56 bilhões em reforços (R$ 13,10 bilhões em valores atuais) em contratações. Desde então, a equipe já conquistou cinco vezes a Premier League (está perto de vencer a sexta), mas passou em branco no maior torneio europeu.

Haaland completa uma busca do clube nas duas últimas temporadas. Guardiola tentou Harry Kane, do Tottenham. O jogador queria a transferência, mas não houve negócio. Cristiano Ronaldo esteve perto, mas o United atravessou a negociação. Haaland, pela juventude, é também um investimento de longo prazo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos