A maldição da camisa 9 do Milan: seca de centroavantes toma conta dos Rossoneri

Goal.com

Quarenta e quatro gols marcados em oito temporadas, ou pouco mais de cinco por ano. Eles não são os números de um atacante, obviamente, não são particularmente prolíficos; são os números de todos os jogadores que nos últimos anos usaram a camisa número 9 de uma das equipes mais importantes do mundo: o Milan.

Ao longo de sua lendária história, o clube milanês recebeu alguns dos maiores atacantes de todos os tempos. Nordahl, Altafini, Van Basten e Weah, são apenas algumas das estrelas que ajudaram a tornar as cores Rossoneri icônicas e, no entanto, quando hoje falamos do Milan e do seu setor ofensivo, a palavra muitas vezes proferida é uma que nenhum jogador, técnico, dirigente e torcedor jamais gostaria de ouvir: maldição.

A que os Rossoneri vêm lutando há anos é a "Maldição do 9". É algo que vai muito além do azar, uma situação que muitos têm tentado reverter sem sucesso. Alexandre Pato, por exemplo, que depois dos muitos gols marcados no Milan na temporada 2012-13, decidiu abandonar a 7 para vestir tal camisa 9, que ele ainda não se sabia, mas tem um poderoso feitiço. A mudança para a 9 significou apenas dois gols para ele antes de sua despedida.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Assim como ele, Alessandro Matri (1 gol em 18 jogos), Fernando Torres (1 gol em 10 jogos), Mattia Destro (3 gols em 15 jogos), Luiz Adriano (6 gols em 29 jogos), Gianluca Lapadula (8 gols em 29 jogos), André Silva (10 gols em 40 jogos) também não conseguiram quebrar a "maldição" e até Higuaín, um dos maiores atacantes do mundo precisou se contentar com 8 gols em 22 jogos nos rossoneri. E Krzysztof Piatek, que também teve um forte começo com o Milan fazendo 11 gols em suas primeiras 21 partidas, mas que decidiu desafiar o destino e, com a camisa 9, viu sua média de gols cair e seu desempenho baixar ao ponto de tornar sua venda inevitável.

Quarenta e quatro gols em um total de 190 jogos, as estatísticas falam por si: aqueles que nos últimos anos vestiram a camisa que normalmente é reservada para os goleadores, de uma forma ou de outra falharam. Se dar uma explicação para o porquê de algo que até algumas temporadas atrás seria difícil de imaginar é complicado, é mais fácil identificar o momento exato em que tudo começou. De fato, existe uma data muito específica, que também está marcada no coração de todos os torcedores rossoneri: 13 de maio de 2012.

É o último jogo do campeonato, em San Siro vem a equipe da Novara já matematicamente rebaixada. Até o Milan tem pouco a perder na partida, uma vez que  Juventus já venceu o Scudetto, mas o que era para ser uma partida de final de temporada como tantas outras se transforma em um evento que na verdade representa o fim de uma era.

Os visitantes abriram o placar com Garcia aos 20 minutos e Flamini empatou aos 56 minutos, depois aos 67 minutos a ovação: Antonio Cassano deu lugar a Filippo Inzaghi e o resto foi história.

O número 9 do Milan, aos 82 minutos, lançou uma bola lindamente oferecida por Seedorf, dominada no peito e batida com direta, ela ainda acerta o goleiro Fontana antes de entrar. Foi o gol do 2x1, o que valeu os três pontos, seu primeiro no campeonato, o número 126 em exatamente 300 jogos com a camisa dos Rossoneri, o último de uma carreira incrível.

Inzaghi Novara
Inzaghi Novara

Inzaghi estava terrivelmente interessado em marcar aquele gol. Dois dias antes ele havia anunciado sua despedida do Milan e a melhor maneira de dizer adeus só poderia ser essa. O SuperPippo terminou assim com uma alegria, mas também entre um rio de lágrimas, uma história de onze anos marcada por números que lhe permitiram merecer um lugar entre os maiores Rossoneri de todos os tempos.

"Meus companheiros de equipe, o estádio, este clube. É algo mágico. Me machuquei em Turim e achei que era azar, mas hoje estou aqui, joguei minha 300ª partida com o Milan na frente da minha linda família e também marquei um gol. Eu vi meus companheiros de equipe, os torcedores, não tenho palavras. Eu sabia que marcar um gol hoje seria fantástico, mas agora é difícil. Eu me sinto ótimo, mas jogar longe do Milan seria muito difícil para mim".

As palavras de amor de Inzaghi, porque a história com o Milan foi uma história de amor. Uma relação que vai além dos dois Scudetti conquistados, além das duas Ligas dos Campeões, além do Mundial de Clubes, da Copa da Itália e das duas Super Copas da Itália. O SuperPippo, do lado milanês do Rossoneri, conquistou a todos com sua astúcia, aquela capacidade inata de punir o adversário e o desejo que o levou a dar tudo em campo. Todas as qualidades típicas dos campeões e que ele tinha em abundância.

Em 13 de maio de 2012, juntamente com Inzaghi, Gattuso, Zambrotta, Nesta e Seedorf também jogaram sua última partida no Rossoneri, os principais jogadores do que talvez tenha sido a última verdadeira equipe do Milan até agora. Muita coisa mudou desde então e ainda estamos esperando aquela faísca que "faz tudo voltar a ser como era antes".

Inzaghi terminou sua carreira como jogador de futebol fazendo o que sempre fez de melhor, que era marcar gols, e deixando pela última vez aquele campo no qual tantas alegrias ele havia dado e se entregado, ele deixou escapar uma promessa, uma das muitas cumpridas.

"Vou voltar a este clube porque o Milan me deu tudo e há um amor incrível entre nós que não pode acabar".

Inzaghi voltou ao AC Milan para treinar primeiro as categorias de base e depois a primeira equipe. Sua segunda aventura no Rossoneri não foi tão maravilhosa quanto a primeira, mas ninguém pode apagar o que ele fez por aquelas cores às quais seu nome estará para sempre ligado. Inzaghi tem sido durante anos simplesmente sinônimo de gols na Itália e na Europa e o Diavolo ainda está esperando por aquele goleador que pode realmente continuar seu legado e pôr um fim à "Maldição do 9".

Leia também