Mais organizado e competitivo, Brasileirão Feminino Sub-18 teve final épica e campeão à altura

Nathalia Almeida
·3 minuto de leitura

Estimular e investir no futebol feminino de base é uma dentre as tantas medidas vitais para que a modalidade cresça e se desenvolva. Nesse sentido, pensar um calendário de competições de base coerente, com torneios competitivos e bem organizados, é fundamental. Na noite do último sábado (20), nos despedimos da segunda edição do Brasileirão Feminino Sub-18 com a sensação de que o caminho ainda é longo, mas de que estamos caminhando. Pra frente.

Exceção ao discutível regulamento que gerou polêmica durante toda a competição - saldo de gols não foi critério de desempate nos duelos eliminatórios -, temos que reconhecer o salto no torneio em relação à edição passada. Mais competitivo e com os grandes clubes mais envolvidos na ideia de abraçar o futebol feminino de base, tivemos camisas gigantes duelando e partidas de alto nível desde as primeiras fases. Transmissão da TV fechada e grande final no tradicionalíssimo Beira-Rio foram as 'cerejas do bolo', confirmações de que a competição tem tudo para crescer.

Brasileirão Feminino teve grande final entre Inter e Fluminense | Victor Lannes/MyPhoto Press/Gazeta Press
Brasileirão Feminino teve grande final entre Inter e Fluminense | Victor Lannes/MyPhoto Press/Gazeta Press

Final épica e campeão inédito

De tão elogiado, o torneio merecia ter uma grande final, e assim foi. Internacional e Fluminense fizeram um bom jogo de ida nas Laranjeiras - com vitória tricolor por 2 a 1, selada no último lance da partida -, e uma volta ainda mais memorável no Beira-Rio. Luany abriu o placar em favor das Meninas de Xerém logo no primeiro minuto, fazendo parecer que o Fluminense seria absoluto na decisão. Mas as Gurias Coloradas, campeãs da edição passada, mostraram brio e enorme poder de reação, assumindo o controle do jogo a partir da metade do primeiro tempo. Com show de Bia e Mileninha, o Inter sobrou nos 60 minutos finais e anotou quatro gols, goleando o rival por 4 a 1.

Por não haver saldo de gols no torneio, uma vitória pra cada lado significou decisão nas penalidades. E foi aí que testemunhamos um embate épico entre goleiras: Gabi Barbieri (Inter) e Ravena (Flu) foram espetaculares mas, no fim da noite, quem sorriu foi a heroína tricolor. Com nada menos do que quatro defesas, Ravena fez história em Porto Alegre e selou o 7 a 6 para o corajoso time das Laranjeiras, campeão do Brasileirão Feminino Sub-18. Um título que ficará marcado na vida dessas meninas e do clube, afinal, foi o primeiro da modalidade para o Fluminense.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

"Só a gente sabe o quanto a gente merece esse título, o quanto a gente trabalhou para estar aqui. Tudo tem o seu propósito. Eu desde o início estava acreditando nesse time. Sempre com dificuldades, na Primeira Fase, na Segunda, na Terceira. Nos pênaltis, eu sabia que ia ser nosso. Estava tentando ajudar as meninas a levantar a cabeça delas. E deu no que deu! Agora vão ter que aturar a gente, são as Meninas de Xerém, é tudo nosso!", comemorou a meia Lara.