Maguila usa substância derivada da maconha para controlar doença degenerativa no cérebro

LANCE!
·2 minuto de leitura


José Adilson Rodrigues dos Santos, o Maguila, tem um novo aliado na luta contra a Encefalopatia Traumática Crônica, doença causada por repetidos golpes na cabeça. O ex-boxeador começou a usar pequenas doses diárias de substâncias extraídas da planta cannabis, mais conhecida como maconha, para retomar aos poucos uma melhor qualidade de vida. A informação foi divulgada pelo site "UOL".


>> Veja a tabela da Copa do Brasil


A família e os cuidadores vinham percebendo uma estagnação no tratamento de Maguila.

- A doença tem picos. Tinha semana em que ele estava bem, semana que não. Ele precisa de muita medicação, então ficava mais sonolento, preguiçoso, apático, não queria acordar, sair da cama ou andar - disse Irani Pinheiro, advogada e esposa do ex-pugilista.

A partir desses relatos e de estudos clínicos, o neurologista Renato Anghinah, médico de Maguila há mais de oito anos e especialista em concussões cerebrais, indicou a abordagem com uma nova substância.


- Optamos por entrar com o canabidiol já tem uns dois meses. Não é uma cura, mas traz benefícios no sentido da qualidade de vida. Deixa a pessoa mais tranquila, com uma sensação de bem-estar maior - explicou Anghinah.

Irani já começou a perceber um avanço no marido após o uso de algumas gotas do óleo de canabidiol (CBD) isolado.

- Ele tinha um olhar de infinito, sabe? Eu não sei como explicar isso. E com essa medicação eu percebi que ele olha mais no olho, está mais atento. Isso foi muito bom para ele - conta ela.

Atualmente com 62 anos, Maguila vive há três anos no Centro Terapêutico Anjos de Deus, clínica em Itu, no interior paulista. Ele tem uma rotina regrada e permeada de atividades que remetem ao auge da vida como lutador. Toma café pela manhã, faz fisioterapia, assiste a vídeos de lutas antigas — dele mesmo e de colegas de ringue e conta histórias, como as da lendária luta contra Evander Holyfield e a amizade com o narrador Luciano do Valle.