Magrão salva Sport e garante empate com Cruzeiro na Ilha do Retiro

Gazeta Press
Gazeta Press

Sport x Cruzeiro

Gazeta Press

O goleiro Magrão foi fundamental para o Sport conseguir segurar o empate com o Cruzeiro, sem gols, na tarde deste sábado, na Ilha do Retiro, em duelo válido pelo Campeonato Brasileiro.

Até os 30 minutos do segundo tempo, o duelo era bem objetivo. A Raposa se defendia com qualidade e buscava o ataque de maneira bastante cautelosa. Já o Sport, por sua condição da tabela, buscou a frente sem muita qualidade. Nos últimos 15 minutos, o técnico Mano Menezes fez duas alterações que mudaram o jogo: deram mais movimentação e Raniel e David e deixaram o jogo mais legal. Eles bagunçaram a defesa adversária, mas encontraram na frente o goleiro Magrão, que até pênalti defendeu para garantir, pelo menos, o empate.

A igualdade deixa o Cruzeiro na mesma sétima posição, com 33 pontos, aguardando o término da rodada. Já o Sport também segue dentro da zona de rebaixamento, com 24 tentos somados, na 17ª colocação.

A Raposa agora volta suas atenções para o Palmeiras, pela decisão da Copa do Brasil. No próximo fim de semana, pelo Brasileirão, o time celeste encara o Atlético, no domingo, às 16 (de Brasília), no Mineirão. O Sport encara o Corinthians, em São Paulo, no mesmo dia, às 19h.

Primeiro tempo

O Cruzeiro entrou em campo com uma formação mudada em relação aos jogos anteriores. O técnico Mano Menezes já havia confirmado que Thiago Neves, por exemplo, precisaria ficar descansando para a decisão da próxima quarta-feira, nas semifinais da Copa do Brasil, contra o Palmeiras, em São Paulo.

Os primeiros minutos, com a formação que não tem costume de atuar junta, foram de sérias dificuldades para o grupo cruzeirense. O Sport montou uma boa barreira a frente da área e impunha muita dificuldade para a saída de jogo da Raposa. Apesar das boas chegadas do clube da casa, o goleiro Fábio não foi obrigado a fazer grandes coisas neste período de rugido do leão.

A Raposa, esperta, entendeu a proposta adversária. No banco celeste há um treinador experiente o suficiente para entender as armadilhas que podem ser impostas, seja para a saída de jogo ou para levar contra-ataques. Percebeu a melhor maneira.

O volante Lucas Silva passou a contribuir com a saída de bola. Isso facilitou boa parte para as resoluções. Aos 12 minutos, o time celeste conseguiu, pelo menos, igualar situações de jogo. Isso significa que o time azul não sofreu, mas agrediu pouco. Isso foi culpa de uma falta de criatividade geral que tomava conta do gramado da Ilha do Retiro.

Entre os árbitros, todavia, houve alguma criatividade. Isso porque aos 29, a Raposa marcou o primeiro gol. Em cruzamento de Mancuello, Bruno Silva desviou e Barcos aproveitou após a bola pegar na trave. Somente o juiz e seu auxiliar viram o Pirata impedido, mas até sem replay foi possível perceber que o jogador saiu de trás da marcação. O tento foi anulado.

O gol não marcado causou irritação geral no time cruzeirense. O técnico Mano Menezes precisou ser duas vezes advertido, uma pelo quarto árbitro e outra pelo principal. No jogo anterior, no entendimento do comandante azul, seu clube também foi prejudicado.

Daí até o fim do jogo, as equipes foram pragmáticas, não conseguiram criar e ficaram em disputas duras, sem boas chegadas e criações.

Segundo tempo

O duelo voltou um tanto quanto objetivo, assim como foi em parte do primeiro tempo. As equipes não tinham criatividade para lutarem por seus objetivos.

O Sport se mostrava mais no ataque, mas parava na boa defesa do Cruzeiro. Alias, o setor celeste é um dos mais consolidados, sofre poucos gols, fruto do trabalho do técnico Mano Menezes. No entanto, o ataque no Brasileirão sofre consideravelmente para conseguir ser criativo.

Para melhorar a situação, o técnico Mano Menezes mandou a campo os atacantes Raniel e David. Eles foram responsáveis pela primeira finalização do Cruzeiro no segundo tempo, aos 32 minutos de jogo – pouco para um time da potência da Raposa.

A entrada dos jovens melhorou o time celeste consideravelmente. A dupla mostrou eficiência na frente. Eles aproveitaram também os excessos do Sport no ataque, dando o contra-ataque para a Raposa. Aos 39, em velocidade, Raniel entrou na área e fez o passe para David. Ele sofreu o pênalti.

Aos 40, Raniel foi para a cobrança. Mas na frente dele tinha Magrão, com 13 anos de história com a camisa do Sport, defendeu com as pernas a penalidade. Dois minutos depois, o defensor salvou o Leão em outra oportunidade.

FICHA TÉCNICA

SPORT 0 X 0 CRUZEIRO

Local: Ilha do Retiro, Recife (PE)

Data: 08 de setembro de 2018, sábado

Horário: 16h (Brasília)

Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias (SP)

Assistentes: Alex Ribeiro (SP) e Rogério Zanardo (SP)

Cartões: Jair, Neto Moura, Ronaldo Alves (Sport)

SPORT – Magrão; Durval, Ernando (Raul Prata) e Ronaldo Alves; Sander, Marcão, Neto Moura (Jair), Andrigo (Matheus Gonçalves), Marlone, Rogério

Técnico: Eduardo Baptista

CRUZEIRO – Fábio, Ezequiel, Leo, Manoel, Egídio, Lucas Silva, Mancuello, Bruno Silva, , Robinho (Raniel), Rafinha (Ederson) e Barcos (David).

Técnico: Mano Menezes.

Leia também