"Macho Detox": Fernando Rocha discute masculinidade tóxica em podcast no Yahoo!

Yahoo Vida e Estilo
Fernando Rocha e Yahoo lancam o podcast "Macho Detox" (Arte: Anderson Basquiat/Yahoo Brasil)
Fernando Rocha e Yahoo lancam o podcast "Macho Detox" (Arte: Anderson Basquiat/Yahoo Brasil)

Discutir a masculinidade tóxica, todos os seus efeitos sociais e estruturais nunca foi tão necessário e urgente. A masculinidade, que na maioria das vezes se torna machismo, está nas entranhas de todos nós. Faz parte da nossa criação, não só dos homens, e molda a maneira como nos relacionamos com os outros e nossas próprias emoções. 

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no InstagramFacebook e Twitter, e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário

Quando falamos de masculinidade tóxica, estamos falando do todo, de um sistema que possui muitos recortes. É partindo dele que discutimos e combatemos o machismo, o racismo, a homofobia, a solidão do homem negro (também e especialmente da mulher negra), o que é ser pai de fato e o vivenciar a paternidade.

Leia também

Tendo em mente que todos nós fazemos parte dessa organização, e com o objetivo se desconstruirmos e construirmos relações de equidade e mais igualitárias, estreamos nesta quarta-feira (10), o podcast "Macho Detox" no Yahoo, conduzido pelo apresentador e jornalista Fernando Rocha e convidados.

OUÇA AQUI

“É um espaço [o podcast] dedicado à prática saudável do pensamento despoluído, um exercício de ideias e aprendizados. Uma limpeza de atitudes e pensamentos urgentes. É fácil enxergar o quanto a sociedade é machista, difícil é entender que as piadas de antes, sempre tão engraçadas, não cabem mais no entendimento desse mundo. Falar de mudança também é fácil. É só falar e criticar o politicamente correto. Difícil é mudar o pensamento. Para isso existe primeiro o entendimento e depois o exercício", diz Fernando, que mais que condutor do bate-papo, se coloca nas situações e reconhece o seu lugar de privilégio, como homem branco e hétero.

Fernando Rocha estreia o podcast "Macho Detox" no Yahoo (Foto: Arquivo Pessoal)
Fernando Rocha estreia o podcast "Macho Detox" no Yahoo (Foto: Arquivo Pessoal)

"E tem que ser normal no nível absoluto perceber o machismo tóxico nas redes sociais, na conversa de bar ou seja onde for. Mudar as ideias não é uma opção, é uma obrigação. Tenho pela frente algumas centenas de episódios pra me exercitar e principalmente aprender", completa Fernando Rocha.

Neste episódio, Fernando discute a "solidão da população negra" com a produtora cultural e criadora do bloco Vaca Profana Dandara Pagu, o fotógrafo e jornalista Ismael dos Anjos e a editora do Yahoo Vida e Estilo, Amanda Serra.

"É importante termos um olhar mais interseccional. Por muito tempo quando falávamos de homem, falávamos no singular, se referindo a um homem branco, heterossexual, de preferência rico e bem sucedido e essa categoria de homem não acolhe muito dos homens que existem. Prefiro falar de masculinidade no plural, porque aí me incluo como homem negro, porque o homem que quero ser e posso ser não será o mesmo que o homem branco, ainda que eu tenha a pele clara. E inclui todas as questões de sexualidade e classe. Não dá para falar nisso sem pensar nos recortes possíveis", inicia Ismael, que coordenou o documentário "O Silêncio dos Homens".

"A gente entende o racismo como uma questão agressiva e ele existe nos detalhes. A gente acha que o racismo está preso a quem grita na sua cara ‘macaco’. Todos nós somos racistas porque isso está explícito dentro de um sistema. Você foi ensinado ao longo da sua vida que existe um lugar, inclusive, viu durante sua vida que a única pessoa negra dentro da sua casa é a que cuida das suas coisas, da limpeza da casa. O racismo está em todo lugar. É importante conversar sobre o racismo e não negá-lo. Precisamos aceitar que é estrutural e precisamos conversar sobre para ver como isso acaba, afirma Dandara.



Leia também