Clube repudia laudo médico que aponta orientação sexual de goleira como doença

·1 minuto de leitura


Alba Aragón, goleira do Ciudad de Múrcia, da Espanha, foi alvo de uma ação homofóbica de um médico do Hospital Reina Sofía. Segundo o jornal espanhol 'Marca', a arqueira de 19 anos havia procurado a consulta para tratar de uma irregularidade menstrual. Porém, no diagnóstico emitido pelo médico, sua orientação sexual foi colocada como enfermidade.

Alba Aragón afirmou que o profissional perguntou se poderia incluir a sexualidade no relatório. Ela conta que apesar de consentir, não sabia que seria atestada como doença.

- Disse ao médico que era homossexual porque achei que era relevante para os exames que ia fazer. Eu gosto de mulheres desde os 15 anos e não tenho vergonha de dizer - disse ao jornal 'El Español'.

Nas redes sociais do clube, o Ciudad de Múrcia lamentou o caso e exigiu uma investigação.

- Apoiamos incondicionalmente a jogadora em seu corajoso ato de denúncia - denunciou o clube espanhol.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos