Mãe de Eliza diz que contratação de Bruno é 'um absurdo'

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Sônia de Fátima Moura, mãe de Eliza Samudio, disse estar incrédula com a contratação de Bruno pelo Boa Esporte. O goleiro foi o responsável pelo assassinato de sua filha em 2010 e deixou a prisão após decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), sob a alegação de que não havia "justa causa" para que ele permanecesse preso até o julgamento de seu recurso em segunda instância.

"[A contratação] é um absurdo. Estão querendo, aparentemente, estar na mídia. Realmente estão mas de uma forma negativa, que coisa mais feia. Deveriam pensar em outra maneira para valorizar o trabalho do time e do grupo", disse em entrevista ao jornal "Extra".

Ela detonou também as pessoas que estão se aproximando de Bruno e o idolatrando na cidade mineira após a sua apresentação, na manhã da última terça-feira.

"Os valores destas pessoas são invertidos. Só pode ser isso. Não é possível, tem limite. Eu jamais permitiria que meu filho, um neto, tirasse foto com um assassino cruel, que não tem dó. O Bruno está aparecendo em tudo quanto é lugar, mas de uma forma negativa também. Acredito que essas pessoas, que tiram selfie com ele, não estão enxergando isso. Só para lembrar: ele é um assassino. Que banalidade", disse.

Além de criticar bastante a decisão do STF, Sônia revelou temer pela própria vida.

"Eu temo que ele mande os comparsas dele me procurar. Mas não para um diálogo. Procurar para acabar o serviço que lá atrás ele não terminou", disse.

A mãe de Eliza também afirmou que acha um absurdo Bruno querer se reaproximar do filho Bruninho.

"É ridículo e um absurdo. O que ele vai falar para o filho? 'Você me perdoe, tá, porque lá atrás eu tentei matar você quando ainda estava na barriga da sua mãe. Mas ela, mesmo zelosa, porque procurou recursos para te criar, novamente sofreu... Me aproximei dela, mandei matá-la e também a você. Sabe, filho, mas hoje estou aqui e quero o seu perdão'. É isso?", disse ela, que tem preservado o neto ao máximo e nem TV tem permitido ele assistir.