Luz, Zormann e Daniel Silva na semi de duplas em Piracicaba

@Joao Pires / Fotojump


O Brasil já tem, ao menos, um representante na final de duplas do ATP Challenger de Piracicaba.

Nesta quinta-feira, a dupla formada pelos atletas da ADK Tennis, de Itajaí (SC), Orlando Luz e o paulista Marcelo Zormann, e o par do paulistano Daniel Dutra da Silva, também da ADK, com o ucraniano Oleg Prihodko, garantiram seus passaportes para as semifinais do evento disputado no Clube Cristóvão Colombo. O torneio distribui US$ 80.000 em prêmios e é patrocinado pelo Santander.

Campeões do Challenger de Tigre na semana passada, Danielzinho e Prihodko mantiveram o bom entrosamento e conseguiram vitória duríssima no início da rodada. Em 1h16, os dois salvaram um match point e derrotaram a parceria do peruano Alexander Merino e o suíço Jakub Paul por 2 sets a 1, com parciais de 6/3, 2/6 e 12-10.

Por vaga na segunda final em 14 dias, Dutra da Silva e Prihodko vão enfrentar os brasileiros Orlando Luz e Marcelo Zormann, que surpreenderam os principais favoritos em Piracicaba. Em uma atuação sólida, o gaúcho e o paulista desbancaram a parceria dos bolivianos Boris Arias e Federico Zeballos por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 7/6(8), após 1h28.

O triunfo teve um gostinho a mais para os brasileiros, já que Arias e Zeballos haviam levado a melhor nas semifinais do Challenger de Campinas, em outubro, na fase de semifinal. “É uma vitória muito importante. Eles são excelentes duplistas, não à toa eram os principais cabeças de chave em Piracicaba. Mas isso também mostra que nosso trabalho diário está dando certo, estamos batalhando muito para evoluir. Os treinos já mostravam isso e agora os resultados estão aí”, destacou Zormann, 271º do ranking da ATP em duplas.

O resultado poderia ter sido construído de maneira mais tranquila, já que Luz e Zormann lideravam com quebra acima no 2º set. Além disso, no tie-break, só foram fechar somente no sexto match point. Ainda assim, Orlandinho comemorou que a parte mental da parceria também está afiada com a técnica. Os dois vêm em ótima fase juntos – em 2022, conquistaram os ITFs US$ 25.000 de Lajeado, Rio de Janeiro e Den Hague.

“O entrosamento nesses momentos decisivos fala muito alto. O fato de nos conhecermos há bastante tempo, daquela coisa de um confiar no outro, faz muita diferença. Pô, cabeças 1, não sei se já ganhamos de adversários mais bem ranqueados antes no circuito. Então, estamos muito felizes por esse resultado. Agora é um jogo contra o Dani (Dutra da Silva). Temos que nos preparar para fazer mais uma grande partida”, avaliou Luz, 214º do mundo na lista da ATP na modalidade.

A outra semifinal de duplas em Piracicaba não terá brasileiros. Enrique Bogo e Paulo André Saraiva caíram diante dos argentinos Andrea Collarini e Renzo Olivo, cabeças 4, por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/4, em 1h30.

Nesta sexta-feira, Collarini e Olivo encaram os irmãos peruanos Arklon e Conner Huertas Del Pino, que passaram pela parceria do espanhol Oriol Roca Batalla e o alemão Timo Stodder por 2 sets a 0, com parciais de 6/4 e 6/4, em 1h07.