Luto no vôlei: Isabel Salgado iria compor grupo técnico do Esporte no governo Lula

Ao lado de Casagrande, Janja e Lula: Isabel discursou na campanha do presidente eleito (Foto: Ricardo Stuckert)


A morte prematura de Isabel Salgado, umas das maioires referências brasileiras no vôlei, encerrou um ciclo na política que teve pontapé nesta segunda-feira, quando a ex-atleta foi indicada ao lado do ex-jogador Raí e da ex-colega de quadras Ana Moser para o grupo técnico do Esporte no governo do presidente eleito Lula.

O Esporte deve voltar a ter status de ministério no futuro governo do presidente eleito. Durante a gestão de Jair Bolsonaro, a área do esporte funcionou em formato de secretária de governo.

- Isabel Salgado não foi apenas um símbolo para o esporte, mas também de luta na defesa de seus ideais. Seu pioneirismo no esporte abriu as portas para muitas brasileiras. Suas conquistas levaram o Brasil a outro patamar na história do vôlei feminino. Uma referência tanto na quadra quanto na praia, foi convidada a integrar o Grupo Técnico de Esporte no Gabinete de Transição por sua competência como atleta e voz ativa por um país mais justo. Meus sentimentos e solidariedade aos filhos, netos, familiares e admiradores de Maria Isabel Barroso Salgado, nossa eterna Isabel do Vôlei - disse Lula, pelo Twitter.

Isabel é mãe de Pedro, Maria Clara e Carol Solberg, que também fizeram carreira no vôlei. Ela estava internada no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e morreu nesta madrugada. A causa da morte ainda não foi divulgada.

HISTÓRICO
Nascida na cidade do Rio de Janeiro, Isabel Salgado foi a primeira grande estrela do vôlei feminino nacional. Ela começou a carreira nas categorias de base do Flamengo e aos 16 anos, já era titular do clube rubro-negro. O destaque precoce fez com que ela chegasse à seleção
brasileira, sendo peça fundamental para classificação do Brasil aos Jogos Olímpicos de Moscou, em 1980, e de Los Angeles, em 1984.

A esportista carioca foi pioneira quando se tornou a primeira mulher a jogar profissionalmente no exterior, algo inédito naquela época em que o vôlei começava a se profissionalizar no Brasil. Tempos depois, Isabel Salgado abriu caminho para o vôlei de praia no país, sendo pioneira no Circuito Mundial, quando a modalidade chegava ao programa olímpico.