Lugano critica simulações de Neymar: "Não é legal fazer isso em Copa do Mundo"

Goal.com
Neymar durante a vitória do Brasil sobre a Costa Rica (Ian MacNicol/Getty Images)

Neymar

Neymar durante a vitória do Brasil sobre a Costa Rica (Ian MacNicol/Getty Images)

Em evento na Casa da Conmebol, em Moscou, o ex-jogador da seleção uruguaia, Diego Lugano, lamentou a atuação de Neymar durante os jogos do Brasil.

Você já viu o novo app do Yahoo Esportes? Baixe agora!

Na última sexta-feira (22), o craque do Paris Saint-Germain marcou o seu primeiro gol na Copa do Mundo da Rússia, no último minuto dos acréscimos contra a Costa Rica, garantindo a vitória por 2 a 0. Entretanto, durante a partida, o camisa 10 foi alvo de diversas faltas, entre elas um suposto pênalti, que acabou sendo anulado pelo árbitro de vídeo (VAR).

“Essas simulações, esses saltos, não é legal fazer isso em Copa do Mundo”, disse Lugano. Na partida de estreia do Brasil, contra a Suíça, Neymar se tornou o jogador com mais faltas em uma partida de Copa do Mundo desde 1998.

"Talvez Neymar tenha uma linguagem corporal construída que não é bem vista entre os jogadores. Isso é uma realidade, um fato", acrescentou o atual dirigente do São Paulo. “Messi, Cristiano, Suárez e Agüero também recebem marcação forte, mas com respeito. Neymar precisa ir com mais desejo", disse ele. "Alguma coisa está ruim".

Lugano também comentou sobre a mídia brasileira enaltecer as faltas em cima de Neymar. "Se em todas as partidas fizerem três faltas nele, ele está sendo ‘caçado’ como dizem no Brasil", reclamou o uruguaio. "Deixem que eles ‘quebrem ovos’ com o jogador ‘caçado', porque em todos os países, sul-americanos e europeus, ele é marcado de forma diferente."

Leia mais:
– Veja a nossa página especial de Copa
– Marquezine e de irmã de Ney na Rússia podem ter violado regras da Fifa
– Com lesão muscular, Douglas Costa está vetado para enfrentar a Sérvia

O próximo duelo do Brasil será contra a Sérvia, pela última rodada da fase de grupos, na quarta-feira (27), a partir das 15h (de Brasília).

Leia também