Lugano comenta sobre saúde mental no futebol: "Em 20 anos, nunca ouvi falar"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Uruguayan former footballer Diego Lugano gestures during the 2019 Copa America draw in Rio de Janeiro, Brazil, on January 24, 2019. - The 2019 Copa America will be held in Brazil between June 14 and July 7. (Photo by MAURO PIMENTEL / AFP)        (Photo credit should read MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Histórico zagueiro valoriza que o tema, antes tabu, agora seja comentado. Foto: (MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)

Em debate no Congresso Internacional do Esporte, realizado no Estádio Campeón del Siglo, a saúde mental dos atletas foi tema de uma mesa redonda entre autoridades e ícones do esporte mundial.

O evento, organizado pela Sports Summit e apoiado pela Associação Uruguaia de Futebol (AUF) e a Secretaria Nacional do Esporte (SND), abraçou inúmeros temas, como a valorização do futebol feminino na América do Sul e a saúde mental de jogadores e jogadoras no futebol mundial.

Leia também:

Dirigente da FIFPro, organização representativa a nível mundial para jogadores profissionais de futebol, Alexandra Gómez tomou a palavra e contou que a FIFPro realizou uma pesquisa aos jogadores de futebol em 2011 perguntando-os sobre quais eram os problemas que estavam enfrentando: "Obviamente, as dívidas eram o número um, mas algo que nos chamou a atenção foi a questão da saúde mental, muitos comentaram que estavam sofrendo de problemas nesse sentido, e a partir daquele momento começamos a trabalhar no assunto para ver como ajudá-los efetivamente".

Ex-capitão da Seleção Uruguaia e do São Paulo, Diego Lugano comentou sobre a mudança de tratamento que o tema teve desde sua época de jogador até o atual momento: "Em 20 anos de futebol, não me lembro de em nenhum vestiário e em nenhuma parte do mundo de os jogadores comentarem sobre isso, era um assunto totalmente tabu para não mostrar fraquezas. Hoje, o assunto começa a ser discutido nos vestiários, é o passo principal que deve ser dado e é um sinal de que estão querendo mudar".

Lugano ainda completou exemplificando a sua situação na última passagem pelo tricolor paulista, quando lutaram contra o rebaixamento: "Tomava remédio para dormir todos os dias. Nunca pedi ajuda, nunca falei com ninguém porque eu tinha que ser o forte. Imagino que muitos jogadores passem por essa situação, muito mais após a aposentadoria".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos