Lucas Rossetti, diretor da Liga BFA, fala de caminhos para os times do FA em tempos de pandemia

Anderson Gonçalves Valinor Conteúdo
·4 minuto de leitura


Os desafios do FA no Brasil com a pandemia tornaram a temporada 2021 em uma incógnita na realização das competições no país. O que pode ser feito? Como? E quais caminhos o esporte poderá ter neste e nos próximos anos.

Batemos um papo com Lucas Rossetti , Diretor de operações da Liga BFA , que deu sua percepção desse cenário complexo que o esporte, e o mundo, está vivendo. A torcida é que para a pandemia no Brasil seja controlada com a vacinação, para que a roda do FA volte a girar

Confira abaixo a prosa do dirigente sobre os destinos do Futebol Americano disputado em terras brasileiras.

1- O ano de 2021 pode ter uma demora maior na imunização da população do que se imaginava. As ligas e os times estão prontos para um retorno do esporte de forma presencial?

A Liga BFA segue atuando na parte extra campo nesse período de pandemia, durante esse tempo a BFA atualizou seu estatuto e aumentou o número de associados, conseguiu a aprovação do projeto de Lei do Incentivo federal que está em fase de captação, firmou parcerias importantes com a Embaixada dos Estados Unidos para desenvolvimento de projetos de expansão da modalidade, trouxe a Soul Brasil uma startup focada no desenvolvimento da carreira dos praticantes, firmou parceria com a Isportistics uma startup multinacional de tecnologia para o Esporte além da ALL22 nossa parceria internacional que tem trabalhado na detecção de talentos do FABR e facilitando carreiras internacionais para jogadores atuando na Liga BFA.

Sobre a situação da pandemia a recomendação é de que nesse momento não aconteçam treinamentos presenciais, não existe ainda uma previsão de quando será seguro voltar a jogar e treinar em território brasileiro, temos de esperar a imunização e um cenário seguro para nossos praticantes, treinadores, árbitros e fãs. Tanto os times quanto a Liga tem oportunidades de melhorar sua estrutura e organização fora de campo, isso é seguro e possível de se realizar e essa é o nosso foco.

2- Com esse cenário menos previsível, a temporada deve privilegiar quais competições? E como os atletas podem ser ajudados para que estejam aptos a participar dos torneios?

Ainda é impossível prever o que acontecerá nessa temporada, infelizmente, o FABR depende das vacinas e da segurança para voltar aos treinos e jogos, o vírus não faz nenhuma distinção de competições, não existe uma segurança maior ou menor para os envolvidos em competições regionalizadas, estaduais ou até mesmo na própria cidade. O perigo de aglomeração constante para treinos é o mesmo indiferente do tamanho da competição ou evento.

A melhor forma na visão da Liga de ajudar os praticantes de futebol americano do brasil é continuar nosso trabalho de fortalecimento extra campo da Liga e seguir debatendo com os dirigentes das Equipes na conscientização de que o Futebol Americano está sendo um exemplo muito positivo de disciplina (um dos valores da nossa modalidade) em não executar jogos e campeonatos, esperando a segurança de todos. Cabe a cada liderança envolvida na comunidade o trabalho constante de diálogo em busca da segurança de todos.

3- A pandemia trouxe desafios enormes para o esporte, que ainda busca mais espaços no Brasil? Quais caminhos vê para que haja um objetivo comum entre ligas, times e atletas?

O Futebol Americano no Brasil é uma modalidade jovem, temos menos de 15 anos de prática estruturada e acredito que 2019 foi o melhor ano de toda nossa história, pela primeira vez as equipes (Masculinas e Femininas) estavam todas disputando o mesmo campeonato, sob as mesmas regras e regulamento. Isso criou um padrão de execução de eventos em todas as regiões do Brasil. O desafio agora é dar continuidade nesse processo de equalização, união e oportunidades para as Equipes, esse é o grande desafio da Liga BFA.

Acreditamos que o objetivo de todos é ver futebol americano sendo reconhecido e praticado pelo Brasil inteiro, que mais pessoas possam conhecer a modalidade, tornando no ''FABR'' em um esporte conhecido e cativante para a população brasileira, apesar de termos conseguido grandes avanços nós ainda estamos na fase de construção, desenvolvimento e formação. Cabe a cada uma das esferas executar da melhor forma possível seu papel.

4- O FA nacional tem muitos times e ligas. Um calendário maior, com mais datas é possível para deixar o esporte mais visível pelo público?

Quando falamos em território nacional o Futebol Americano no Brasil só existe a Liga BFA, essa união do cenário é fruto de um trabalho bem feito no qual os times acreditam, não a toa temos mais de 70 Equipes interessadas em jogar a Liga BFA quando ela retornar.

Nosso calendário já é muito grande , dos 52 fins de semana existentes no ano, podemos dizer que 40 estejam ocupados com algum evento de Futebol Americano ou Flag, aumentar essas datas é diminuir ainda mais o tempo de preparação e convívio familiar dos praticantes, algo que a longo prazo não é sustentável.

A difusão do esporte depende de uma ação integrada de todos os envolvidos, é necessária a criação de um vocabulário em português para a modalidade, de criação de escolinhas de futebol americano e categoria de base nas equipes e na parte da Liga uma maior capilarização nos veículos de conteúdo tradicionais.