Lucas Chumbo sofre corte profundo na perna no Havaí

Durante o Eddie Aikau, torneio de ondas grandes no Havaí, Lucas Chumbo levou a pior na canela.

Durante o Eddie Aikau, torneio de ondas grandes no Havaí, Lucas Chumbo levou a pior na canela. Foto: (Reprodução/Instagram)
Durante o Eddie Aikau, torneio de ondas grandes no Havaí, Lucas Chumbo levou a pior na canela. Foto: (Reprodução/Instagram)

Único brasileiro homem participante do Eddie Aikau Big Wave Inviational, torneio de ondas grandes mais tradicional do Havaí, o surfista brasileiro Lucas Chumbo, que foi bastante elogiado por seu desempenho na competição, acabou levando a pior em uma das ondas e sofreu um profundo corte na perna, lhe rendendo seis pontos no local.

O surfista carioca, que acabou em nono colocado no Eddie Aikau, falou sobre a experiência vivida no último domingo e sobre o acidente que foi registrado por seu mentor, Carlos Burle, no modo stories do Instagram: "Muito feliz de participar desse evento aqui. Era um sonho, e esse sonho foi realizado hoje. Com certeza vai ficar marcado na história do Big Surfe, um dos melhores dias da história de Waimea. Gigante. Acabou que não consegui o resultado que sempre quis, mas tá bom. A gente fez uma performance incrível. Fiquei muito feliz com minhas ondas. Graças a Deus tá tudo bem. Tive um corte na perna. Foram seis pontos na perna. Agora são alguns dias só de descanso até a perna ficar boa. Já já estou de volta na água. Foi um dia incrível, especial para mim. Fiquei muito feliz de representar o Brasil de novo".

Leia também:

John John Florence, bicampeão mundial e grande adversário dos brasileiros que fazem parte da Brazilian Storm, principalmente Gabriel Medina, acabou com a medalha de prata, ficando atrás apenas do salva-vidas havaiano Luke Shepardson. Das dez edições já realizadas do evento, sete foram vencidas por surfistas nascidos no arquipélago dos Estados Unidos. Eddie Aikau, que nomeia a competição, venceu a sua última edição em 2015/2016.

Dos quarenta surfistas convidados para o Eddie Aikau, sendo cinco mulheres, Chumbo teve a companhia de Andrea Moller como representantes brasileiros na competição, que teve cinco baterias de oito surfistas cada.