Longe das pistas, Stoner revela fadiga crônica: “Não consigo me manter em forma”

Redação GP

Casey Stoner revelou que está sofrendo de fadiga crônica. O bicampeão da MotoGP explicou que não consegue se “manter em forma e saudável”.

Esta não é a primeira vez que o australiano sofre de fadiga crônica. Em 2009, Casey se afastou da MotoGP por três corridas e, depois, acabou descobrindo que o problema estava ligado à intolerância à lactose.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Casey Stoner (Foto: Ducati)


Paddockast #44

RETROSPECTIVA 2019: MUITO QUE BEM, MUITO QUE MAL


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM






Participando do podcast ‘Rusty’s Garage’, Stoner explicou que o problema o está impedindo até mesmo de fazer hobbies como correr de kart ou praticar arquearia. 

“Eu não corro [de kart] há mais de um ano”, disse Stoner. “Eu não tenho energia para ir e fazer isso por um dia. Isso me colocaria no sofá por outra semana”, seguiu.

“Não tenho feito muito das coisas que gosto ultimamente. Tem sido um pouco frustrante”, admitiu. “Basicamente, o que acontece é que, com a fadiga crônica, eu não consigo me manter em forma e saudável”, explicou. 

“Tenho um problema em que minhas costelas saem do lugar frequentemente, e elas são conectadas às vértebras. Elas saem do lugar e isso desalinha a minha coluna”, relatou. “Já tenho discos [invertebrais] vazando, então isso pressiona meus discos e pulveriza um pouco de líquido, e isso pressiona o nervo e aí você tem um espasmo. Aí é uma boa semana antes de poder começar a pegar algum peso outra vez”, seguiu.

A fadiga crônica também está mantendo Casey longe do asfalto. De acordo com o #27, a última vez que ele pilotou para valer foi num teste com a Ducati, em Sepang, em janeiro do ano passado. Depois disso, só num evento nos Estados Unidos.

“A primeira vez que estive em uma moto rua desde janeiro do ano passado, que foi num teste, foi só há algumas semanas, quando estive nos Estados Unidos no meu aniversário para um evento da Alpinestars”, contou. “Nós rodamos um pouco com alguns caras. Não forçamos nem nada, mas me esgotou”, falou.

“Nesses últimos meses, melhorei com uma medicação nova que estou usando, mas ainda estou longe de treinar e sair para fazer coisas”, afirmou. “Do contrário, isso me coloca no sofá por uma semana ou mais, ou, pelo menos, por cinco dias. E isso é duro com a esposa”, brincou. 


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo


O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.


Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.






Leia também