Livros de temática LGBTQ+ distribuídos por Felipe Neto viram atração à parte na Bienal

Yahoo Vida e Estilo
Livro distribuído por Felipe Neto na Bienal do Livro, no Rio. Foto: reprodução/Twitter/midianinja
Livro distribuído por Felipe Neto na Bienal do Livro, no Rio. Foto: reprodução/Twitter/midianinja

Programada para ser um ato protesto contra o prefeito Marcelo Crivella, a distribuição de temática LGBTQ+, organizada pelo youtuber Felipe Neto, virou uma atração à parte na Bienal do Livro, no Rio.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Uma longa fila formada por adolescentes começou duas horas antes da ação, marcada para o meio-dia, segundo o UOL. Foram colocados à disposição 14 mil livros, embalados em plástico preto e com um selo que diz: “Este livro é impróprio para pessoas atrasadas, retrógradas e preconceituosas. Felipe Neto agradece a sua luta pelo amor, pela inclusão e pela diversidade”.

Leia também:

Um vídeo publicado pelo perfil da Mídia Ninja mostrou a movimentação em busca dos livros. “Estou aqui porque acho que é um ato importante de apoio à comunidade LGBT, foi claramente uma censura. É importante se manifestar”, comentou uma leitora. “Ele [Crivella] tentou censurar e aproximou mais as pessoas”, observou outra frequentadora do evento.

Na sexta-feira, Crivella ordenou que fiscais da Secretaria Municipal de Ordem Pública do Rio de Janeiro fossem ao evento com o objetivo de retirar de circulação a obra de HQ “Vingadores: A Cruzada das Crianças”. A decisão foi uma tentativa de impedir o acesso do público a ilustrações entre personagens fictícios do mesmo sexo. No entanto, as publicações disponíveis nos estandes da feira se esgotaram.

“Hoje na Bienal do Rio mais de 10 mil livros LGBTs serão distribuídos gratuitamente! No meio de disso tudo, tem mil cópias de ‘Um Milhão de Finais Felizes’, que vão cair nas mãos de mil leitores hoje aqui!”, comemorou o autor Vitor Martins.

Em seu perfil no Twitter, Felipe Neto citou o poeta alemão Heinrich Heine com a seguinte frase: “Aqueles que começarem a queimar livros, logo acabarão queimando pessoas”.


Leia também