Livre no mercado e 'buscando qualidade de vida', Jadson quer contrato de três anos no Brasil

Goal.com

Um dos nomes mais especulado como reforço do Corinthians ao lado de Drogba, o meia Jadson também desperta o interesse de outros clubes do Brasil. Com data marcada para desembarcar no país após rescindir o seu contrato com o Tianjin Quanjian, o meia, que ainda não recebeu propostas oficiais, tem os seus objetivos claros segundo Marcelo Robalinho, empresário do jogador.

“A primeira opção do Jadson é retornar ao Brasil. Tivemos uma consulta de um clube da China, mas ele não quis. Tivemos uma consulta de um time importante do futebol russo, mas não era a vontade dele. Ele quer voltar ao Brasil. Caso não seja como a gente espera, vamos pensar em outras situações", disse o agente em entrevista à ESPN.

“Já formalizamos a rescisão na China. Agora vamos começar a receber as propostas. Vamos conversar com os clubes a partir de agora, colocar nossa ideia de negociação. Não temos nada oficial, nenhum interesse concreto. O Jadson volta ao Brasil nesta quarta-feira. É uma questão que nós pleiteamos, vamos fazer um contrato mínimo de três anos. Pode ser de quatro ou de cinco, se o clube quiser. Não posso garantir se existe uma preferência. O que existe é o fato do jogador estar abrindo mão de uma grande quantia de dinheiro e estar buscando uma qualidade de vida, se sentir bem”, acrescentou

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio
Jadson - Tianjin Quanjian
Jadson - Tianjin Quanjian

 Alexandre Vidal/Divulgação

Questionado sobre o interesse de clubes como Corinthians, Atlético-MG e até São Paulo, Robalinho não confirmou quais equipes realmente esperam contar com os serviços do jogador em 2017.

“O que eu posso te dizer é que os clubes estão colocando essas notícias. Ontem mesmo o diretor do São Paulo colocou na apresentação de um jogador que tinha procurado o Jadson. O Corinthians fez isso publicamente e, o Atlético Mineiro, creio eu, deve ter feito isso. Não cabe a mim confirmar e vocês no Brasil sempre estão no caminho certo”, concluiu.

Leia também