Livakovic segue o instinto para levar Croácia à vitória contra o Japão nos pênaltis

Goleiro croata Dominik Livakovic defende pênalti cobrado por japonês Takumi Minamino

Por Philip O'Connor

AL WAKRAH, Catar (Reuters) - O goleiro croata Dominik Livakovic disse que confiou em seus instintos para fazer três excelentes defesas na vitória por 3 x 1 sobre o Japão na disputa de pênaltis que classificaram sua equipe para as quartas de final da Copa do Mundo, nesta segunda-feira.

As defesas heróicas de Livakovic livraram a pele do companheiro de equipe Marko Livaja, que perdeu sua cobrança, e classificaram a Croácia para enfrentar o ganhador de Brasil x Coreia do Sul na próxima fase.

As cobranças de Takumi Minamino, Kaoru Mitoma e Maya Yoshida foram todas defendidas por Livakovic antes de Mario Pasalic mandar friamente o goleiro japonês Shuichi Gonda para o canto errado, classificando a Croácia mais uma vez para as quartas.

"É mais um instinto do que uma análise dos cobradores de pênaltis... Não acho que esses pênaltis foram muito difíceis de defender, (mas) eles cobraram com muita força", disse um radiante Livakovic em entrevista coletiva quando perguntado sobre o segredo de seu sucesso.

O Japão assumiu a liderança do placar pouco antes do intervalo, quando Daizen Maeda aproveitou uma bem trabalhada cobrança curta de escanteio, mas a Croácia empatou com uma cabeçada de Ivan Perisic após cruzamento de Dejan Lovren aos 10 minutos de segundo tempo, e o jogo terminou 1 x 1 após a prorrogação.

O técnico da Croácia, Zlatko Dalic, havia tirado Perisic e Luka Modric durante a prorrogação e ficou sem a experiente dupla para os pênaltis, mas as defesas de Livakovic asseguraram a classificação.

"Hoje tivemos um goleiro fantástico, Livakovic, ele foi ótimo, foi insuperável, defendeu os pênaltis de maneira muito forte e estável", disse Dalic.

Atual vice-campeã mundial, a Croácia venceu duas disputas de pênalti a caminho da final de 2018 na Rússia, mas no Estádio Al Janoub foi uma nova geração que deixou sua marca desta vez.

"Temos 18 novos jogadores que não estiveram na Copa do Mundo da Rússia e eu lhes disse hoje: 'esta é a sua chance de fazer história'", disse Dalic.