Limite de trocas imposto a clubes e treinadores do Brasileirão é um convite ao bom senso

Fabio Utz
·2 minuto de leitura

A farra das trocas de técnico ao longo do Campeonato Brasileiro acabou. É bem verdade que a decisão por limitar esse artifício foi bem apertada entre os participantes da Série A (11 a 9), mas no fim prevaleceu a ideia que, sim, deveria vingar. A partir de agora, dirigentes e os próprios treinadores terão que adequar suas "rotinas". Para o bem do futebol.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Por parte dos clubes, mudar o comando de forma desmedida era a chamada "opção mais fácil". Sim, a falta de planejamento e de convicção respingava do lado mais frágil. Sob o argumento de que "é mais fácil mudar um do que mudar onze", os cartolas, quando viam seu time em apuros, optavam pela demissão do comandante, muitas vezes, para satisfazer a torcida e "tirar o seu da reta". Não tem mais essa. Ou os dirigentes aprendem, ou terão que arcar com as consequências de escolhas mal feitas.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O técnico, aliás, também não é "santo". Quantas vezes um profissional já optou por mudar de emprego, em meio ao Brasileirão, de olho em um salário maior ou em um contrato mais longo? Alguns, depois, se arrependem, é bem verdade, e morrem abraçados com quem o contratou. Isso também passa a estar fora de cogitação por conta da possibilidade de se ficar longe do mercado por algum tempo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Claro, todos nós sabemos que, em muitas ocasiões, o trabalho não surte o efeito desejado e o clube precisa demitir um profissional. Ou que, por vezes, o próprio treinador não se sente à vontade no cargo e pede para sair. Mas isso não pode se repetir em profusão. Limitar em uma demissão por equipe e por profissional está de bom tamanho. Só, o que se espera, é que as partes não deem um jeito de burlar essa regra.

Quer saber como se prevenir do coronavírus? #FiqueEmCasa e clique ​aqui.