Lima revela conversa com Vina, alvo do Fluminense, mas diz: 'Deixa para a diretoria decidir'

Lima vestirá a camisa 45 no Fluminense (Foto: Reprodução / FluTV)


O meio-campista Lima, recém-chegado ao Fluminense, concedeu entrevista coletiva nesta quinta-feira no CT Carlos Castilho, mas também precisou falar sobre o ex-companheiro Vina, do Ceará. O jogador teve o nome ligado ao Tricolor, mas o novo reforço da equipe de Laranjeiras afirmou que a decisão é da diretoria.

- O Vina foi um grande companheiro, é um grande jogador. Tem muita inteligência. Mandei uma mensagem para ele falando que se ele visse seria um bom reforço. Mas não cabe a mim a decisão. Deixa para a diretoria decidir - afirmou.

+ Veja a tabela e os jogos do Campeonato Carioca 2023


Polivalente, Lima disse que pode jogar em várias funções e que está à disposição de Fernando Diniz para atuar onde o treinador o escalar.

- Já atuei como volante, meia, no Ceará fui ponta direita. Então não tenho posição fixa. Onde o professor me colocar para jogar, vou estar a disposição. Já joguei de volante e de meia. Se tiver que jogar de segundo volante, não tem problema. Joguei na Sul-Americana nessa posição. Não vejo complicação - disse.

+ Confira as movimentações do Fluminense no mercado da bola no Vaivém do L!

Lima comentou também sobre a chance de trabalhar com Fernando Diniz e elogiou o comandante. Segundo ele, o treinador faz os atletas evoluírem.

- Enfrentei o Diniz várias vezes, sei da dificuldade que ele coloca em campo. Evoluir o jogador e a sua equipe foi fundamental para mim. Essa decisão de trabalhar com ele foi por saber que ele pode evoluir as pessoas -

+ Confira o guia dos clássicos da primeira fase do Cariocão 2023

CONFIRA OUTROS TRECHOS

Libertadores:
"A Libertadores é uma grande competição. Já joguei, mas depois fui para fora do país. É a ambição dentro do clube e estamos focados em conquistá-la."

Conversa com Samuel Xavier: "O Samuel Xavier falou muito bem do Fluminense. Falou que é um grande clube, de grande estrutura. Ele foi um dos jogadores que fizeram a diferença para eu vir para cá."

Briga por posição: "É uma briga sadia. É bom ter grandes jogadores no elenco. Assim a gente consegue conquistar os campeonatos. Sempre queremos ser titulares. Mas é o professor que comanda. Tenho ambição de começar jogando, mas respeito todos os jogadores do elenco."