Lideranças negras se reúnem com dirigentes da CBF e propõem projetos antirracistas para o futebol

LANCE!
·2 minuto de leitura


O desafio de pôr fim ao racismo no futebol teve mais um passo. Na última terça-feira, a Frente Nacional Antirracista foi à sede da CBF para apresentar programas que combatam as ofensas raciais em campo. Os dirigentes da Central Única das Favelas (CUFA) Preto Zezé, que é presidente da entidade, e Celso Athayde, fundador da organização, lideraram o encontro com o mandatário da entidade máxima do futebol nacional.

Campanhas publicitárias, ações afirmativas para a inclusão de negros no mercado de trabalho do futebol e projetos de formação antirracista estiveram entre as propostas apresentadas pelo grupo.

O presidente da CUFA, Preto Zezé, mostrou otimismo com o encontro.

- Foram dois momentos importantes para nós. A CBF esteve com a gente no pior momento da humanidade, principalmente atendendo setores que estavam totalmente vulneráveis, sem amparo nenhum, mobilizando jogadores, atletas de toda a sua rede para fazer um movimento de ajuda em escala para o país inteiro - e frisou:

- A CUFA foi a interface entre pessoas que precisam e a CBF. Fizemos um gol de placa na cidadania e um gol de placa na sociedade - completou.

Técnico da Seleção Brasileira, Tite também participou do encontro e se mostrou grato por fazer parte da ação Seleção Solidária. O projeto tem por objetivo atender famílias em situação de vulnerabilidade em todo o país.

- Vocês nos fizeram representar, eu me senti uma pessoa melhor, na medida que nós conseguimos, de alguma forma, contribuir, junto com tantas outras pessoas, para ter um pouquinho mais de igualdade social, para ter um pouquinho mais de oportunidades. Isso me deixa muito feliz e gratificado - declarou.

A iniciativa social de jogadores e comissão técnica da Seleção Brasileira que, em conjunto com a CBF, doou cerca de R$ 5 milhões para ajudar famílias desamparadas pela Covid-19. A doação foi realizada através das entidades Ação da Cidadania, Transforma Brasil e pela Central Única das Favelas (CUFA), ajudando o sustento de mais de 32 mil famílias.

A Frente Nacional Antirracista teve outros representantes no encontro: Laura Astrolabio, da Tenda das Candidata; Geraldo Coelho, da Frente Favela Brasil; Marcelo Santos, do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP); Anderson Quack, da Fundação Zundara; Claudia Vitalino, da UNEGRO e Vitor Del Rey, do Instituto Guetto.