Libertadores: relembre as finais da competição em campo neutro

Yahoo Esportes
O Club Atlético River Plate é o atual campeão da Libertadores (Marcelo Endelli/Getty Images)
O Club Atlético River Plate é o atual campeão da Libertadores (Marcelo Endelli/Getty Images)

Durante as últimas três décadas, era assim que se jogava uma final de Copa Libertadores: jogo de ida na casa do time de pior campanha entre os finalistas e partida de volta com mando do finalista de melhor campanha. Em 2019 será diferente: jogo único em Lima, no Peru, em substituição a Santiago por conta dos tumultos no Chile.

Já está seguindo o Yahoo Esportes no Instagram? Clique aqui! 

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Como a final não envolve nenhum time peruano (e nem chileno, caso Santiago fosse mantida), Flamengo e River Plate jogarão em campo neutro no próximo dia 23 de novembro. Excluindo a final de 2018, que aconteceu em Madrid por conta de incidentes em Buenos Aires, desde 1987 a finalíssima da Libertadores não é jogada no país de um dos finalistas. Até então, se cada time vencesse um jogo ou houvesse dois empates, independentemente do placar, havia uma terceira partida em campo neutro.

Disputada a partir de 1960, será a 16ª decisão de Libertadores em campo neutro. Considerando o recorte até 1987, nota-se que metade das 28 finais até então foram decididas assim. Relembre algumas.    

Leia também

1962 - Santos 3 x 0 Peñarol, Estádio Monumental de Nuñez (Buenos Aires, Argentina)

Logo em sua terceira edição a Libertadores precisou de um terceiro jogo para conhecer seu campeão. O Peñarol, que buscava o tri, perdeu o primeiro jogo em casa por 1 x 2. Seu adversário, o Santos, também tropeçou como mandante (2 x 3). No desempate, os uruguaios não viram a cor da bola, mas dois gols de Pelé e um contra de Caetano. 

1965 - Independiente 4 x 1 Peñarol, Estádio Nacional (Santiago, Chile) 

“Rei de Copas” e recordista de títulos na Libertadores (7) conquistou sua segunda taça no Estádio Nacional do Chile, onde seria a final única de 2019 antes dos protestos. Santiago também já recebeu a decisão da Libertadores sem time chileno em 1966 (Peñarol 4 x 2 River Plate), 1967 (Racing 2 x 1 Nacional), 1974 (Independiente 1 x 0 São Paulo), 1976 (Cruzeiro 3 x 2 River Plate) e 1987 (Peñarol 1 x 0 América de Cali), totalizando seis ocasiões.

1968 - Estudiantes 2 x 0 Palmeiras, Estádio Centenário (Montevidéu, Uruguai)

Montevidéu é outro destino bastante frequentado pela final da Libertadores em campo neutro. A de 1968 foi a primeira das quatro vezes que o tradicional Estádio Centenário recebeu a decisão da Libertadores sem uruguaios. As outras foram em 1973 (Independiente 2 x 1 Colo Colo), 1977 (Boca Juniors 0(5) x (4)0 Cruzeiro) e 1981 (Flamengo 2 x 0 Cobreloa).

1971 - Nacional 2 x 0 Estudiantes, Estádio Nacional (Lima, Peru) 

2019 não será a primeira vez da capital peruana em finais de Libertadores em campo neutro: em 1971 os uruguaios do Nacional venceram sua primeira Libertadores impedindo o que seria a quarta conquista consecutiva do Estudiantes. A equipe de La Plata só seria tetra 38 anos depois, sobre o Cruzeiro no Mineirão.

1975 - Independiente 2 x 0 Unión Española, Defensores Del Chaco (Paraguai)

País-sede da Conmebol, o Paraguai recebeu o jogo do sexto título do Independiente na Libertadores. 10 anos depois, voltou a ser palco neutro da finalíssima de 1985, vencida pelos conterrâneos do Argentinos Juniors sobre o América de Cali nos pênaltis por 5 x 4 após empate em 1 x 1 no tempo normal.

2018 - River Plate 3 x 1 Boca Juniors, Estádio Santiago Bernabéu (Espanha)

A primeira final de Libertadores fora do continente americano aconteceu por conta de um ataque de torcedores do River Plate contra o ônibus que levava a delegação do Boca Juniors. Duas semanas depois, o River marcou dois gols na prorrogação e conquistou seu quarto título no torneio.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também