Leven Siano entra com mandado de segurança no STJ contra eleição deste sábado do Vasco

Felippe Rocha
·1 minuto de leitura


Os bastidores do Vasco fervem. Após entrar com pedido de reconsideração, na última quinta-feira, da suspensão da eleição do último sábado, desta vez Luiz Roberto Leven Siano foi mais incisivo. Nesta sexta, por meio de seu advogado, ele deu entrada num mandado de segurança para que o pleito deste sábado não ocorra. A informação foi publicada inicialmente pelo site "Ge" e confirmada pelo LANCE!, que ouviu a defesa.

- Houve aquela decisão de sábado, do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que revogou a decisão do desembargador que realizava o pleito presencial no dia 7. Ontem (quinta), ingressamos com um pedido de reconsideração. Há uma eleição ilegal convocada e vimos que a reconsideração não vai sair. Como temos urgência, entramos com o mandado de segurança. Foi uma decisão (da suspensão da eleição de sábado) teratológica, absurda, despropositada e ilegal. Por isso o mandado, acompanhado da liminar - explicou, ao LANCE!, o advogado de Leven Siano, Wadih Damous.

Leven Siano, da chapa Somamos, foi o mais votado no pleito de sábado, mas a votação foi suspensa por volta das 20h, quando o presidente da Assembleia Geral obteve liminar do presidente do STJ, ministro Humberto Martins. O pedido era pelo adiamento para este dia 14, sábado seguinte. Contudo, a Mesa Diretora presente entendeu de forma diferente e deu sequência aos trabalhos.

Tanto durante o processo do último sábado quanto na última segunda-feira, em entrevista coletiva, Leven afirmou que retiraria a candidatura, mas só o fez na última quinta, quando protocolou carta no clube - assim como Alexandre Campello e Sérgio Frias.

Sem nova decisão, por ora, do presidente do STJ, a eleição para presidente do Vasco marcada para este sábado tem dois candidatos: Jorge Salgado, da chapa Mais Vasco, e Júlio Brant, da Sempre Vasco.