Além de comemorar sua volta, Edigar Junio comenta “caso Cajá” no Bahia

Dois meses foi o tempo de Edigar Junio longe dos gramados. A volta aos campos, contra o Fortaleza, não poderia ter sido melhor para o atacante do Bahia. Nesta quinta-feira, após entrar e marcar um dos gols do Tricolor na vitória por 2 a 0, o atleta comentou sobre o “caso Cajá” à imprensa – o meia, no jogo desta quarta, recusou-se a entrar em campo.

“Estava jogando do outro lado e nem reparei no que aconteceu ali. Eu até me surpreendo, porque eu não vi o lance e depois do jogo ficou tudo normal, a gente orou, conversamos normal. Não teve nada falando sobre isso. Só quando cheguei em casa minha família falou, perguntando, e até para eles não eu soube responder, porque eu realmente não vi, não sei o que aconteceu”, garantiu.

Reluziu a estrela do jogador nesta partida: bastou-lhe cinco minutos em campo para anotar um gol. A boa impressão deixada o coloca na briga por uma vaga no time titular do Bahia. Quanto a isso, Edigar Junio pregou muito trabalho e paciência.

“É durante os treinamentos que você garante isso [titularidade]. Eu venho me dedicando bastante, respeitando meus companheiros sempre, mas eu quero ser titular e vou brigar por isso. O professor conhece todos, então acredito que ele vá escolher os melhores”, disse.

Ainda é preciso ter calma, segundo o atacante de 26 anos. A difícil lesão e o bom tempo fora das atividades o faz não ter a forma ideal ainda: “Não tem como voltar e dizer que está 100%. Então acho que em mais três jogos eu consigo estar 100%. Eu fiquei bastante tempo sem até pisar no chão e isso fez com que demorasse mais minha recuperação”, completou.

O Bahia, com a vitória em cima do Fortaleza, foi a 14 pontos e terminou como líder do Grupo B da Copa do Nordeste. A campanha é, inclusive, a melhor da competição, o que deixa o time com vantagem nas próximas fases.