LANCE! mostra cinco ajustes que o Vasco precisa fazer para escapar da zona de rebaixamento

Felippe Rocha
·2 minuto de leitura


Apesar do bom início, a luta do Vasco no Campeonato Brasileiro se desenhou para ser evitar o rebaixamento. E para haver sucesso nesta empreitada, o LANCE! elencou cinco ajustes que precisam ser feitos no Cruz-Maltino. Alguns óbvios, outros nem tanto.

1 - Melhorar o ataque
O rendimento ofensivo é o oitavo pior do Campeonato Brasileiro. São 26 gols nos 25 jogos até aqui. Se para ganhar é preciso fazer mais gols que o adversário, coisas precisam mudar para os goleiros adversários buscarem mais bolas nas redes.

2 - Diminuir a dependência de Cano
Mas aumentar o número de gols não deve significar fazer com que somente Germán Cano faça mais gols. Deve fazer melhorar, sim, a pontaria dos demais jogadores. Atualmente, os 11 gols do argentino na competição representam 42,3% dos gols cruz-maltinos até aqui.

3 - Melhorar a defesa
Se o Vasco está na 17ª posição na tabela não é por culpa somente do ataque. O rendimento defensivo é o quarto pior da competição: são 36 gols sofridos que formam um média de 1,44 por partida. Na gíria da bola, é preciso "fechar a casinha". Seja como for.

4 - Definição de sistema tático
Um dos modos de melhorar os números ofensivos e defensivos é encontrar as melhores formação e estratégia para o momento atual. A alteração de um atacante por um volante para a saída de jogo, contra o Santos, deu resultado prático. Mas o efeito será definitivo ou temporário? Vale lembrar que a mudança para três zagueiros começou eficiente, mas a produtividade da equipe despencou, inclusive na capacidade de proteção à grande área. O técnico Ricardo Sá Pinto precisa se virar também para encontrar um modo de a saída de Benítez não ser traumática para o time.

-> Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

5 - Colocar salários em dia
Tal missão é de fora para dentro. Cabe à diretoria zerar o débito que já vai em dois meses - mesmo com o acordo interno para vencimento no dia 20, e não 5, de cada mês. Obviamente, é melhor que jogadores tenham tranquilidade para pensar somente na briga contra a degola do que terem que debater também sobre as dívidas do clube com eles.