LaLiga retorna? Dez chaves para o retorno do futebol na Espanha

Goal.com

O futebol espanhol não tem data para retornar, embora haja uma expectativa quanto ao dia 12 de junho para a volta de LaLiga. Há um otimismo para que o esporte volte em um mês, a entidade não tem pressa e não quer se preciptar. Para que tudo volte da melhor maneira possível, dez medidas serão fundamentais.

Partidas a cada 72 horas e "carrossel" de transmissões na TV.

Se o campeonato fosse cancelado, todos os clubes perderiam 25% do valor acordado sobre o direito de transmissão televisivo. Seria mais um golpe financeiro no clubes, que já não estão bem. Por isso, deverão jogar a cada três dias, ou 72 horas. Desta forma, é possível que haja jogos em quase todos os dias da semana, um carrossel futebolístico.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Portões fechados e desinfectação.

Obviamente, a medida principal para a volta do futebol na Espanha (e em todo o mundo) é que não tenha a presença de torcida nos estádios. Outra medida fundamental é que todas as instalações dos clubes sejam desinfectadas, desde os centros de treinamentos dos clubes até os próprios estádios, para resguardar a saúde de todos os atletas.

Concentrações.

Após o período de quarentena, confinados com suas famílias em suas casas, os jogadores vivem a expectativa de saber se terão que se concentrar novamente com seus companheiros de clube. Os jogadores não querem isso. Nas viagens para jogos fora de casa, isso será inevitável.

Na Alemanha, foi aprovada uma medida extremamente restritiva a este respeito, com protocolo exigente nos hotéis que irão abrigar os atletas e mantê-los separados.

Testes de Covid-19.

Tirando de lado as polêmicas sobre se deve-se ou não voltar o futebol, se os atletas se sentem seguros ou não, a maioria dos envolvidos na primeira e segunda divisão foram submetidos à testes para coronavírus. Depois quase dois mil testes, apenas cinco casos deram positivo.

E se durante o torneio acontecerem novos contágios? No caso da Bundesliga, a pessoa infectada será isolada e tratada, sem que haja uma nova paralisação do campeonato.

Medidas higiênicas.

O futebol deve ver cenas incomuns nesta volta. Os jogadores não poderam se cumprimentar em nenhum momento da partida. Os times não entrarão em campo juntos e todos no banco de reservas deverão usar máscaras. Após os treinamentos, os jogadores deverão tomar banho em casa.

Cinco substituições.

A pré-temporada antes do retorno do futebol será fundamental para o físico dos atletas. Porém, os calendários serão superexigentes, com muitas partidas em pouco tempo. Por isso, a Fifa já confirmou que cinco substituições serão permitidas durante os jogos.

Como o verão se aproxima na Europa, períodos de hidratação no meio de cada tempo devem ser adotados, assim como acontece em algumas partidas no Brasil quando há temperaturas elevadas.

Soluções criativas.

Publicidades podem ser colocadas nas arquibancadas para cobrir o vazio nas cadeiras. Clubes podem adotar "ingressos virtuais" para colocar mensagens de apoio dos torcedores nos estádios. Na Alemanha, o Borussia Monchengladbach colocou "torcedores de papelão" em seu estádio, para dar a impressão que pessoas estão nas arquibancadas.

Haverá VAR e testes para os árbitros.

Apesar de todos os rumores, foi confimado que o árbitro de vídeo seguirá quando o campeonato for retomado. Toda equipe de arbitragem será testada semanalmente e 48h antes das partidas.

ERTE FC.

ERTE (Expediente Temporário de Regularização Temporário de Emprego) é um mecanismo legal previsto se a atividade "se reduz por força maior". Alguns clubes e sociedades anônimas ligadas ao futebol recorreram a este mecanismo. Com a volta do futebol, o governo ficará de olho em cada um destes casos.

Bolha perfurada.

A bolha do futebol já não existe mais. Os valores astronômicos de transferências, salários e outros gastos dos clubes devem ser revistos. Os gastos aumentaram e as receitas diminuíram. O futebol terá que se reinventar.

Leia também