Kitchens tem que impedir os Browns de cometer erros bestas

Yahoo Esportes
Freddie Kitchens durante jogo dos Browns na temporada (Jason Miller/Getty Images)
Freddie Kitchens durante jogo dos Browns na temporada (Jason Miller/Getty Images)

Por Dan Wetzel (@DanWetzel)

O técnico do Cleveland, Freddie Kitchens, disse no domingo: "Eu não treino time para fazer falta… nunca, em 20 anos como técnico, instrui alguém a cometer uma falta".

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

SIGA O YAHOO ESPORTES NO INSTAGRAM

Talvez ele devesse repensar. Porque essa é a única coisa que o time tem feito bem. Os Browns ouviram o apito do juiz em mais 13 oportunidades na derrota de 27 a 13 para o New England do último domingo, levando o recorde da equipe a 2 vitórias e 5 derrotas.

O Cleveland lidera a liga quanto o assunto é faltas. Foram 70 até agora, sem contar as outras 16 que foram recusadas. Além disso, a equipe tomou a frente em outro quesito: as 252 jardas cedidas por faltas, tendo impressionantes 102 jardas a mais do que o segundo colocado, o Minnesota. Só para efeito de comparação, o Green Bay, com recorde de 7-1, está com 248 jardas obtidas.

Com isso, em menos de meia temporada, os Browns já estão a 500 jardas perdidas com faltas de um candidato real ao Super Bowl. Desempenho impressionante.

"Não vou responder perguntas sobre faltas", disse Kitchens no domingo.

Desculpe, Freddie, mas não para por aí.

Do segundo ao oitavo colocado em faltas cometidas na temporada, todas fizeram oito jogos, enquanto o Cleveland fez apenas sete. O segundo colocado nesse ranking, o Atlanta, teve 206 snaps a mais e ainda cometeu três faltas a menos.

Com dedicação e foco, os Browns podem aumentar essa distância no domingo, em Denver, num jogo que é ganhar ou ganhar e que precisa marcar o início de uma sequência de vitórias para Kitchens continuar no comando.

"O problema agora é consistência e falta de disciplina e de assumir os próprios erros", disse o quarterback Baker Mayfield após o jogo.

As penalidades são só parte dos problemas do Cleveland, mas a situação geral vai além delas. Domingo, em Foxborough, eles deram uma aula, transmitida em rede nacional, sobre como jogar de forma desleixada e indisciplinada.

Foram três turnovers em três snaps seguidos, que deram uma vantagem de 17 a 0 ao New England, um prato cheio para quem não costuma pegar leve com os visitantes.

Kitchens pediu duas revisões de jogada terríveis, que obviamente foram negadas e custaram dois pedidos de tempo aos Browns.

Além disso, teve jogada de quarta para 11 na linha de 24 jardas do seu próprio campo, faltando pouco mais de 6 minutos para acabar o tempo regulamentar, momento em que os Browns tecnicamente ainda estavam no jogo. Primeiro, o time de punt entrou em campo, mas KhaDarel Hodge cometeu uma saída falsa, levando a jogada para uma quarta para 16 na linha de 19. Mesmo com a situação mais complicada, Kitchens decidiu arriscar. Mayfield foi sacado.

Tanto a CBS quanto a emissora de rádio dos Browns informaram que Kitchens buscou a falta porque não queria queimar seu último pedido de tempo (o que não seria o caso se ele não pedisse a revisão desastrosa do segundo tempo).

Difícil saber. O simples fato de ser plausível escolher a quarta para 16 já diz tudo.

O Cleveland ganhou mais jardas por jogada que o New England (5,3 contra 4,8). Eles tiveram um pass rush (principalmente com Myles Garrett) que chegou a Tom Brady (três sacks). A escolha de jogadas ofensivas foi boa.

Mesmo assim, perderam por dois touchdowns.

"Isso não impressiona, é assim que normalmente se ganha", disse Kitchens. "Eles não perdem a bola e não fazem faltas... Esperávamos mais de nós mesmos. Só não estamos conseguindo nos encontrar direito e isso precisa mudar".

Eles já tiveram a semana de folga para trabalhar os fundamentos. Aparentemente, não funcionou.

"Se não corrigirmos esses erros, seremos a equipe do 'se' ou do 'poderia', por isso precisamos resolver isso", afirmou Odell Beckham Jr., sobre a temporada promissora que estão deixando escapar. "... Já deu. Já passou da hora. Não há mais tempo para perder outros jogos ou continuar falando sobre o que o time poderia ter alcançado. É isso."

OBJ e companhia não estão conseguindo atender expectativas (Jason Miller/Getty Images)
OBJ e companhia não estão conseguindo atender expectativas (Jason Miller/Getty Images)

Perder para o New England fora de casa não é vergonha. Acontece com quase todo mundo. Mas entregar o jogo para eles é outra história. O Cleveland tem talento demais para sofrer com autossabotagem.

"[New England] é uma equipe que joga com perfeição", afirmou Beckham. "Um time que não se pune, com poucas faltas."

Os Patriots, com uma campanha de 8-0, ocupam o penúltimo lugar em total de faltas entre as equipes que disputaram oito jogos.

Veja bem, ninguém espera que Kitchens seja um Bill Belichick. E ninguém pode culpar o técnico por todas as infrações. Três das quatro saídas falsas de Cleveland vieram de tight ends e wide receivers.

Mesmo assim, os jogadores não serão demitidos porque ainda trazem um talento individual único para a equipe. Kitchens pode não instruir seus jogadores a fazer besteira, mas ele precisa encontrar uma forma instruí-los a parar de cometer erros.

Kitchens parece ser um cara legal. Ele não é arrogante. E trabalhou bastante para chegar aonde está. Até 2018, seu cargo mais alto havia sido de treinador de posição, e ele conseguiu o posto provisório de treinador principal só porque os Browns demitiram Hue Jackson no meio da temporada. A equipe reagiu com Kitchens e ele foi efetivado. Essa história deveria ter um final feliz.

Quando a pré-temporada adicionou ainda mais talento ao elenco, Kitchens ficou com uma Ferrari nas mãos.

Será que alguém que dirige pela primeira vez consegue comandar uma Ferrari? Até agora, parece que não.

Bastante tempo já passou e estamos em um ponto sem volta. Sim, os próximos jogos serão mais fáceis. E sim, ainda é possível vencer a AFC Norte ou ser um dos wild cards da AFC, apesar do início ruim. Porém, desse jeito, isso não vai acontecer.

"Precisamos parar de cometer faltas, certo?" disse Kitchens. "Precisamos ter foco e manter a posse de bola, para não termos que jogar em uma primeira para 20? Certo? É assim que se vence."

Falar é fácil. Para Freddie Kitchens sobreviver, ele precisa transformar as palavras em realidade.

Siga o Yahoo Esportes

Twitter | Flipboard | Facebook | Spotify | iTunes | Playerhunter

Leia também