Kipchoge e Dalilah Muhammad são eleitos atletas do ano

PATRICIA PAMPLONA
Folhapress
*ARQUIVO* O queniano Eliud Kipchoge no alto do pódio na Rio 2016. (Foto: William Volcov/Brazil Photo Press/Folhapress)
*ARQUIVO* O queniano Eliud Kipchoge no alto do pódio na Rio 2016. (Foto: William Volcov/Brazil Photo Press/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Recém-renomeada World Athtletics, a associação internacional de federações de atletismo anunciou no sábado (23) os atletas do ano. O queniano Eliud Kipchoge levou o troféu entre os homens e a americana Dalilah Muhammad foi a grande vencedora entre as mulheres.

Aos 29 anos, ela quebrou o recorde dos 400 m com obstáculos duas vezes em 2019 —a primeira vez em julho, com tempo de 52,2 segundos, durante o campeonato americano, desbancando a marca anterior que datava de 2003. Já em Doha, no Mundial de Atletismo, ela conseguiu superar seu próprio tempo e concluiu a prova com 52,16 segundos.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Já Kipchoge, além de ter conquistado o melhor tempo da Maratona de Londres, em abril, quebrou a marca das 2 horas da modalidade. Considerado o melhor maratonista do momento, ele completou o Ineos 1:59 Challenge (desafio montado especialmente para que o tempo sub-2h fosse alcançado) com uma performance de 1h59min40seg —tempo não catalogado no ranking por não ser de prova oficial.

Também foram premiados na noite de sábado, em Mônaco, como Estrelas em Ascensão Selemon Barega, 19 (medalha de ouro nos 5.000 m no Mundial de Doha), e Yaroslava Mahuchikh, 18 (campeã do salto em altura no Mundial).

Já o corredor da Guiné-Bissau Braima Suncar Dabo levou o reconhecimento por Fair Play, após ter ajudado seu colega Jonathan Busby, de Aruba, que passou mal durante a rodada de abertura dos 5.000 m no Mundial de Atletismo em Doha.

Derartu Tulu foi eleita a Mulher do Ano, atual presidente da Federação de Atletismo da Etiópia e que ganhou medalha de ouro nos 10.000 m das Olimpíadas de 1992 e 2000. Vikki Orvice, morta em fevereiro devido a um câncer, levou o Prêmio dos Presidentes por sua atuação à frente da Bawa (Associação de Escritores de Atletismos Britânicos, na sigla em inglês), além de cargos executivos na Associação de Escritores de Futebol e na Mulheres no Futebol.

Por sua trajetória como treinador durante 40 anos, o missionário irlandês Colm O’Connell levou o prêmio “Coaching Achievement”. Ele treinou 25 campeões mundiais e quatro medalhistas de ouro em Olimpíadas.

E uma radiante Shelly-Ann Fraser-Pryce foi a protagonista da foto de atletas do ano, quando levou seu quarto título de campeã nos 100 m do mundial de atletismo. O clique foi feito pelo espanhol Felix Sanchez Arrazola, que já havia ganhado o troféu em 2018.

Leia também