Khamenei rejeita negociar com os EUA

O guia supremo do Irão diz que negociar com os Estados Unidos não porá fim aos protestos que abalam o país há dois meses, já que Washington exigirá sempre mais.

O ayatollah Ali Khamenei felicitou os voluntários paramilitares que participam na repressão das manifestações iniciadas com a morte da jovem Mahsa Amini a meio de setembro, que Teerão considera como "motins" encorajados pelo Ocidente:

"O problema não são uns quantos desordeiros nas ruas, mesmo se cada desordeiro, cada terrorista, deve ser punido. A batalha é muito mais vasta e o maior inimigo é a arrogância global."

Apesar da repressão, novos protestos foram organizados este sábado em universidades da capital iraniana e noutras cidades, com imagens filtradas através das redes sociais. As autoridades efetuaram milhares de detenções nos dois meses de contestação.