Kelvin e Pâmela treinam nos EUA para o X Games: 'Não temos pistas para alta performance no Brasil'

·3 min de leitura
Kelvin Hoefler e Pâmela Rosa fizeram a preparação para o X Games nos Estados Unidos (Fotos: Arquivo Pessoal)


Os skatistas Pâmela Rosa e Kelvin Hoefler serão atrações do Brasil na categoria Street da etapa de Chiba, do Japão, do X Games, que começa nesta sexta-feira. Juntos, os dois possuem 11 medalhas na maior competição de esportes radicais do planeta.

A dupla treinou junta na região de Los Angeles, onde Kelvin mora, além de locais como Atlanta e Tampa, nos Estados Unidos, e agora vive a expectativa para o esperado desafio.

> Amanda sofre lesão grave no joelho pelo Campeonato Turco de vôlei

- Viajei para os Estados Unidos em janeiro para treinar, porque no Brasil ainda não temos pistas para alta performance. Nosso país tem melhorado bastante, mas nesse momento tive que fazer essa escolha pensando na temporada 2022. Kelvin tem me ajudado muito na logística e temos treinado junto com outro skatista, Caio Notaro, então tem sido bastante produtivo esse período juntos - disse a skatista, que tem história no X Games.

Sua primeira participação foi em 2013 e já no ano seguinte, na etapa de Austin, garantiu a primeira medalha. A prata abriu sua galeria de conquistas que ainda tem duas medalhas de ouro, outras duas pratas e uma de bronze.

- Foi no X Games que minha carreira internacional começou. Sou muito grata a tudo o que esse evento me proporcionou. A energia é sempre ótima! Fora que a vibe de ter diversas modalidades diferentes como BMX, moto. Me divirto muito e sendo no Japão certamente vai ser ainda mais incrível porque é um povo apaixonado por adrenalina - finalizou a bicampeã mundial.

Já Kelvin fez sua estreia apenas em 2017 mas em grande estilo: foi medalha de ouro na etapa de Minneapolis e repetiu a dose no ano seguinte na Noruega. Depois, ainda conquistou uma prata e duas medalhas de bronze.

O skatista não aceitou integrara a Seleção Brasileira de skate em 2021, devido a discordâncias com a Confederação Brasileira de Skate (CBSk). Pelo novo acordo estabelecido, atletas e entidade passam a realizar ações conjuntas de marketing e comunicação, como postagens em redes sociais e uso de adesivo no shape.

A parceria ainda prevê, durante os encontros da Seleção, a realização de cursos e palestras sobre a relação dos atletas com a imprensa e uso de redes sociais.

Hoefler não concordou com algumas das contrapartidas do contrato. Apesar disso, ele pode seguir na corrida olímpica por vagas nos Jogos de Paris-2024, pois conta com apoio de patrocinadores, como o Banco BV, para custear viagens e inscrições de campeonatos. Eles poderão retornar à Seleção em 2023, se quiserem.

- Competir nos X Games é sempre muito especial. Tenho ótimas memórias nesta competição como um todo, não só das medalhas que conquistei. Espero fazer o meu melhor no Japão e alcançar um bom resultado. Fiz um período de treinamentos muito produtivo. Me preparei ao máximo para a temporada e espero ir bem em todas as competições - explicou o medalhista olímpico.

O Brasil também contará na categoria street com Rayssa Leal, medalhista de prata em Tóquio-2020, Gabriela Mazetto e Lucas Rabelo. No park, competem pelo país Luiz Francisco, Dora Varella e Yndiara Asp. Gui Khury compete no vert masculino.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos