Karoline Lima volta ao Brasil na próxima semana acompanhada da filha com Éder Militão e vai morar em São Paulo

Depois de uma série de disputas envolvendo o antigo relacionamento que teve com o jogador da seleção Éder Militão, a influenciadora Karoline Lima vai voltar para o Brasil na próxima semana. E desta vez é para ficar, com residência fixa em São Paulo, onde já morava antes de se mudar para a Espanha.

O motivo pelo qual Karoline não voltou para o Brasil antes foi a espera pelos documentos de Cecília, que só poderiam ser emitidos na Espanha. Ela já havia dito que, assim que a papelada fosse emitida, voltaria para terras brasileiras com a criança.

Agora, com os documentos em mãos, Karol vai passar o fim de semana arrumando as malas para voltar para o Brasil. E, apesar dos últimos acontecimentos envolvendo seu ex, Éder Militão, a advogada da influenciadora garantiu que a mudança de Karoline com Cecília não será um problema.

"Isso já foi resolvido há muito tempo. Exatamente por causa da rotina que ele leva, ele não poderia implicar com a vinda das duas para o Brasil", explica a advogada de Karoline, Gabriella Garcia.

O jogador sempre faz visitas a Cecília e busca a menina quando pode, mas as dúvidas sobre a mudança de Karol e da filha surgiram por causa dos acontecimentos recentes envolvendo os processos que ele move contra a ex. Ainda de acordo com a defesa da influenciadora, Militão concordou com a mudança e tem garantidas as visitas à filha.

A cearense vai se mudar para São Paulo, mas garante que Cecília, filha de Karol e Militão, não vai ficar sem conhecer Fortaleza. "Fiquem tranquilos que ela vai conhecer a Maraponga. Tem que saber das origens dela", brincou a influencer.

Karol se mudou para Madrid para morar com Militão em agosto de 2021, três meses antes de engravidar. O relacionamento dos dois chegou ao fim antes mesmo do nascimento de Cecília, mas foi depois do parto que a influenciadora trocou de endereço na mesma cidade.

O nome de Militão ganhou espaço nas manchetes nas últimas semanas depois que ele alegou, numa segunda ação que moveu contra Karol, que só poderia pagar R$ 6.060,00 de pensão para a filha do casal, enquanto tem contrato de 7 milhões de euros por ano assinado com o Real Madrid até 2025.

Além disso, Militão afirmou que teria sido surpreendido com a gravidez de Karoline. Na petição consta que "há uma porcentagem de mulheres, que labora em total e completa inversão de valores, acreditando ser uma criança um meio para obtenção de vantagem patrimonial".

Karol foi processada pela segunda vez pelo jogador e, novamente soube do processo pelas redes sociais. Depois que o caso repercutiu, a influenciadora disse que foi procurada por Militão para conversar sobre o processo.

"Mesmo depois de ter me colocado na Justiça ele [Éder Militão] me procurou. Para tentar resolver tudo diretamente comigo, coisa que eu tento fazer há dois meses e nunca tive sucesso. A minha intenção nunca foi processo e baixaria, a minha intenção foi só cuidar da minha filha e me deixar em paz", contou Karoline em seu Instagram.

"Segundo ele, ele não sabia o que estava escrito no processo, ele não autorizou, ele não estava ciente. Pessoalmente acho que nenhum advogado cria um processo para um cliente. Advogado, não, advogada, era uma mulher. Pasmem", continuou.

"Vou procurar entender quais são os próximos passos, o que ele quer oferecer para a filha dele. Já autorizei a minha assessoria jurídica a mover tudo o que eles podem contra a ele. Mas estou disposta a fazer tudo na paz", finalizou Karol.

Apesar disso, Éder ainda não peticionou uma oferta de acordo no processo contra Karoline.