Juventus x Napoli: rivalidade mostra como a Itália é um país dividido

Goal.com

As histórias milenares sobre o Império Romano são passadas, desde cedo, para crianças e, continuamente, para estudiosos mundo afora. Entretanto, a Itália como nação é mais jovem até mesmo do que o Brasil. A unificação do Bel paese aconteceu em 1870, e desde aquela época uma das questões mais tensas está na relação entre o norte e o sul do País da Bota.

Símbolos maiores do futebol de cada uma destas regiões, Juventus e Napoli se enfrentam pela final da Copa da Itália nesta quarta-feira (17), em duelo transmitido com exclusividade pelo DAZN, protagonizando mais um daqueles momentos em que o futebol consegue transcender as quatro linhas. É uma história que tem personagens emblemáticos, que vão de Maradona a Gonzalo Higuaín e, agora, Cristiano Ronaldo e Maurizio Sarri.

As diferenças existentes a partir de Roma para o norte e da Cidade Eterna para o sul são exacerbadas pela economia: enquanto o lado mais acima é conhecido por concentrar as grandes fábricas e indústrias, mobilizando um capital maior de dinheiro, os sulistas pertencentes ao Mezzogiorno historicamente fazem parte de uma área mais agrária e socialmente mais violenta.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Histórico de preconceitos

Com o término da Segunda Guerra Mundial, o dinheiro proveniente do Plano Marshall fez com que o norte da Itália impulsionasse um grande crescimento econômico que também foi refletido no futebol: Torino e Juventus, de Turim, Milan e Internazionale, de Milão, se notabilizaram como grandes potências futebolísticas do país entre as décadas de 40 e 70. Até mesmo a Fiorentina, de Florença, viveu seu auge naquele período.

Os clubes do sul eram meros figurantes, mas quando jogavam no norte viam o traço do preconceito estampado em faixas dos times mandantes. Frases como “Bem-vindos à Itália”, ironizando os sulistas como se eles não fossem italianos, infelizmente ainda são vistas até hoje. No âmbito esportivo, estas provocações intolerantes davam a impressão de contribuir para um linchamento ainda maior pelo fato de as equipes ao sul não conseguirem nem mesmo fazer frente à Juventus, Milan e Internazionale nos gramados.

As raras exceções foram o Cagliari, campeão da Serie A em 1969-70, e o Napoli, cuja maioria dos napolitanos seguiam fiéis ao time da cidade que conquistou duas Copas da Itália (1961-62 e 1975-76) em períodos espaçados. Os Partenopei conseguiram se firmar como grande força do sul, mas dificilmente conseguiam bater de frente com o time mais poderoso do norte e que detinha, e ainda detém, a maior torcida do país: a Juventus de Turim.

Maradona entra na história

Diego Maradona Napoli
Diego Maradona Napoli

Isso mudou em meados da década de 80. Mais precisamente em 1984, quando o Napoli surpreendeu o mundo (e a si próprio) ao conseguir contratar Diego Maradona junto ao Barcelona. O futebol italiano e a relação esportiva entre o norte e o sul jamais seguiriam sendo os mesmos.

Resumindo a ópera: Maradona viveu o auge de sua carreira vestindo as cores napolitanas, protagonizando duelos épicos contra a Juventus do também craque Michel Platini, dando tanto confiança quanto os resultados que eram inimagináveis antes de sua chegada.

platini_maradona
platini_maradona

Naquele período o Napoli foi campeão da Copa da UEFA, da Coppa Itália, e conquistou dois inéditos títulos de Campeonato Italiano. O último destes Scudettos aconteceu em 1990, ano de Copa do Mundo justamente no Bel paese. Antes do duelo semifinal entre a Argentina de Diego contra a Itália, em Nápoles, o camisa 10 mobilizou os sulistas a torcerem pela Argentina e não pela Itália, que tanto os depreciava.

“Os napolitanos precisam se lembrar de uma coisa. A Itália lhes trata como importantes apenas uma vez ao ano, mas os ignoram nos outros 364 dias”, bradou o craque. Mas os torcedores, que muitos imaginavam ter motivos para se transformarem em argentinos por um dia, mostraram sua preferência por serem italianos – o que só mostra o quanto as provocações vindas do norte podem machucar.

Rivalidade volta a se acirrar

Edinson Cavani Napoli Juventus Coppa Italia 2012
Edinson Cavani Napoli Juventus Coppa Italia 2012
Cavani fez um dos gols sobre a Juve no título de Coppa Italia do Napoli (Foto: Getty Images)

Após a saída de Maradona, em 1991, o Napoli começou a viver o pior momento de sua história. Sucessivamente rebaixado, precisou ser refundado após ter decretado falência. Anos mais tarde, conseguiu voltar à primeira divisão e, pouco a pouco, começou a montar times mais competitivos. A recuperação napolitana foi coroada na temporada 2011-12, quando o jejum de títulos foi encerrado justamente com uma vitória por 2 a 0 sobre a Juventus na final da Copa da Itália.

Os napolitanos conquistariam sua última taça, até o presente momento, em 2014, mais uma vez celebrando a Copa da Itália (ou Coppa Italia, na grafia consagrada no país) após vitória sobre a Fiorentina. Poderiam ter voltado a celebrar conquistas no Campeonato Italiano, mas a Juventus mais hegemônica da história tornou isso impossível e o Napoli ficou na segunda posição em três das últimas quatro edições do certame.

Maurizio Sarri Gonzalo Higuain Napoli Serie A Italy
Maurizio Sarri Gonzalo Higuain Napoli Serie A Italy
Sarri e Higuaín nos tempos de napoli... (Foto: Getty Images)
Maurizio Sarri Gonzalo Higuain - Juventus
Maurizio Sarri Gonzalo Higuain - Juventus
Higuaín e Sarri, agora na Juventus (Foto: Getty Images)

Os melhores momentos deste Napoli que ficou no “quase” tiveram Gonzalo Higuaín no ataque e Maurizio Sarri (torcedor do Napoli desde criança) no comando do time. Hoje ambos representam a Juventus. Obviamente são vistos como “traidores” no sul da Itália.

É com sede de vingança e por jogar justamente contra o maior rival que o Napoli, agora treinado pelo ícone milanista Gennaro Gattuso, promete deixar tudo em campo para conquistar mais uma Coppa Italia. Quanto à Juventus, fica a necessidade de seguir mostrando o seu poderio recente contra o clube que voltou a ser a sua maior antítese. Afinal de contras, o Torino, seu rival de cidade, há décadas não briga por taças enquanto Milan tem a Inter como arquirrival e vice-versa.

O clássico Juventus x Napoli é um jogo que traz rivalidade intensa e um olhar também sobre as diferenças da Itália como país.

Leia também